GeraisInvestigação
0

“A investigação não pode ser considerada supérflua”

30 anos da APMGF – Conferência Prof. Isabel dos Santos

A investigação “não é uma questão supérflua” nem “uma causa perdida”, defendeu a Prof. Doutora Isabel Pereira dos Santos, na última conferência do ciclo comemorativo dos 30 anos da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF). “Não é uma questão supérflua porque temos uma ecologia única e porque a maioria das nossas ações carece de evidência, sejam as relacionadas com a prestação direta de cuidados de saúde ou com a organização/planeamento de serviços”, explicou. E também não é uma causa perdida porque “apesar das dificuldades, há factos históricos demonstrativos de que o nosso terreno é fértil em oportunidades para fazer investigação com grande impacto na saúde”.

Existem diversas agendas possíveis de investigação. “Precisamos apenas de escolher e manter um caminho que se adapte aos nossos constrangimentos”, afirmou a diretora do Departamento de Medicina Geral e Familiar da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa.

Os centros de saúde são “locais de produção de cuidados de saúde”. Não existe, assim, “tempo protegido para a investigação, apesar de serem o «setting» adequado para neles se fazer investigação translacional/aplicada”.

Como resolver este dilema? Na perspetiva da Prof. Doutora Isabel Pereira dos Santos, é necessário “fazer acontecer unidades e redes de unidades com tempo protegido para investigação e criar condições para que os profissionais que fazem investigação se revejam nas carreiras médicas”, à semelhança do que acontece em todos os países onde a MGF tem uma forte visibilidade na investigação, como o Reino Unido, o Canadá e os países nórdicos.

Há também que investir em infraestruturas de investigação e obter financiamento, sublinha a especialista que, nesse âmbito defende a necessidade de explicar às fontes governamentais que, “se querem dar um forte sinal da importância da Medicina Geral e Familiar e dos cuidados de saúde primários – e colocá-los na sua agenda – é preciso que disponibilizem recursos para o financiamento das infraestruturas, de projetos de investigação e que desviem a atividade dos poucos seniores existentes para esse caminho”.

Leia Também

Debate Dia Mundial MF 2022

Condições de trabalho, remuneração e contratação de MF têm de ser revistas

Presidente da APMGF analaisa contexto da MGF em Portugal

Presidente da APMGF analisa contexto atual da MGF no nosso país

Webinar Contratualização Diferido

Aceda ao webinar sobre a contratualização em diferido

Recentes

Menu