Gerais
0

Distinção entre ciência e pseudociência marca arranque dos trabalhos

19º Congresso Nacional

David Marçal, autor do livro “Pseudociência”, vai ser o protagonista da conferência de abertura do 19º Congresso Nacional, que terá lugar em Viseu, entre 25 e 27 de setembro. Doutorado em Bioquímica pela Universidade Nova de Lisboa, David Marçal defende que a cultura científica é o único antídoto para a pseudociência.

A APMGF regressa à cidade de Viseu, onde realizou o 5º Encontro Nacional de MGF em 1988, bem como o 3º Congresso Nacional de Medicina Familiar, em 1998, desta vez para oferecer aos médicos de família portugueses a oportunidade de participarem no 19º Congresso Nacional e no 14º Encontro Nacional de Internos e Jovens Médicos de Família (ENIJMF). O evento terá lugar entre os dias 25 e 27 de setembro de 2015, na Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu – Instituto Politécnico de Viseu.

Os preços de inscrição no evento oscilam entre 60 euros para os sócios da APMGF e internos do Ano Comum, e os 30 euros para os estudantes de Medicina, sempre que as inscrições sejam efetuadas até 31 de maio.

A pseudociência está por todo o lado

De acordo com Lino Ministro, presidente do 19º Congresso, o evento terá um grande enfoque na prevenção quaternária. O médico de família defende que “é preciso falar destas questões, quer para evitar os danos associados ao excesso de intervenções médicas e de erros profissionais, como o excesso de meios complementares de diagnóstico, quer os excessos de medicalização de fatores de risco”.

Cada vez mais se “vendem” doenças , afirma Lino Ministro. Nessa medida, o evento pretende reforçar uma mensagem de alerta, quer junto dos médicos de família, quer dos internos da especialidade, que nesta ocasião estarão também reunidos para a realização do 14º Encontro Nacional de Internos e Jovens Médicos de Família.

A conferência inaugural será proferida por David Marçal, doutorado em Bioquímica pela Universidade Nova de Lisboa. Depois de três livros em parceria – Darwin aos Tiros & Outras Histórias de Ciência (2011), Pipocas com Telemóvel & Outras Histórias de Falsa Ciência (2012) e Toda a Ciência (Menos as Partes Chatas), de 2013 – no final do ano passado publicou o primeiro livro a solo, Pseudociência, editado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Coordenador dos Cientistas de Pé, um grupo de cientistas-atores que fazem stand-up comedy, David Marçal defende no seu último livro que enquanto a ciência tiver credibilidade, haverá sempre quem queira vender as suas ideias, produtos e serviços, alegando que estes têm validade científica, sem que isto seja verdade.

A pseudociência está por todo o lado e recorre a um conjunto de estratégias reconhecidas, na tentativa de a validar. Neste ensaio, o autor apresenta algumas dessas estratégias, como o uso abusivo de linguagem aparentemente científica e a evocação de figuras de autoridade, tais como especialistas e médicos.

Contudo, o conferencista do 19º Encontro Nacional defende que a ciência não se baseia em nada disto, mas sim em provas, passíveis de confirmação. E, por isso mesmo, propõe algumas ferramentas para ajudar a distinguir ciência de pseudociência, sondo que o único verdadeiro antídoto para a pseudociência é a cultura científica.

Também a conferência de encerramento aborda a questão da prevenção quaternária, com Carlos Martins a defender a máxima: “a saúde do doente será a minha primeira preocupação”.

Prazo limite para envio de resumos termina a 10 de junho

De acordo com Lino Ministro, no decurso do 19º Congresso prevê-se a realização de numerosas mesas redondas de caráter científico, nomeadamente sobre evidências em meios complementares de diagnóstico, bem como workshop. Um deles estará a cargo de Paulo Costa e de Conceição Maia, relativo às boas práticas de prescrição clínica. Mais uma vez, os excessos de prescrição e de medicalização vão estar na berlinda.

Está ainda prevista a realização de workshop sobre ética/deontologia nos cuidados de saúde primários e redação de artigos científicos, sem esquecer a apresentação de numerosas comunicações livres e pósteres.

O prazo limite para o envio de resumos de trabalhos a apresentar no decurso do evento termina no próximo dia 10 de junho.

Leia Também

Evento português conquista seguidores em Praga

Primeira sessão de 2018 em Braga reuniu cerca de 100 participantes

Candidaturas aceites até 31 de dezembro

Recentes

Menu