Política de saúde
0

Greve nacional parece inevitável

No rescaldo de mais uma reunião do Fórum Médico:

No final da última reunião do Fórum Médico (evento organizado pela Ordem dos Médicos, Federação Nacional dos Médicos – FNAM – e Sindicato Independente dos Médicos – SIM – e que reúne diversas estruturas representativas dos clínicos portugueses) ficou patente que é quase inevitável a realização de uma greve de médicos após as próximas eleições autárquicas.

Em declarações aos jornalistas, o secretário-geral do SIM, Jorge Roque da Cunha, garantiu que o governo tem-se revelado incapaz de “apresentar uma contraproposta em relação a um conjunto de matérias que não são de carácter salarial, mas que representam na prática a reposição progressiva daquilo que foi retirado em 2015. O Ministério da Saúde está sob a ditadura do Ministério das Finanças e alega esse argumento, mas a verdade é que não foi capaz de apresentar qualquer contraproposta”. Jorge Roque da Cunha considera, portanto, que os atuais “sinais são muito negativos” e que “não se pode tratar bem o SNS sem tratar bem os seus profissionais, nomeadamente os seus profissionais médicos”. O dirigente do SIM reforçou que os sindicatos “concederam todos os tempos e oportunidades para que o governo contrapropusesse, mas parece que o mesmo está decidido a empurrar os sindicatos para a greve, algo que não desejamos”.

Já Mário Jorge Neves, presidente da FNAM, recordou que o calendário de negociações está a terminar, que o executivo não apresentou qualquer contraproposta negocial e que embora não tenha encerrado de modo formal as conversações deixa escoar o tempo útil, o que em termos gerais resulta num impasse incontornável : “perante este contexto, avolumam-se as evidências de que não nos resta outra solução senão recorrer mais uma vez à greve para impor princípios que são basilares na defesa do direito constitucional à saúde por parte de todos os cidadãos”. Mário Jorge Neves foi mais longe e sublinhou que o país arrisca-se a ver “o mesmo partido que se tem proclamado – e bem – como autor e arquiteto do SNS ocupar na história o lugar de seu coveiro”.

Ordem dos Médicos reclama mais investimento na saúde

Para o bastonário da Ordem dos Médicos (OM), Miguel Guimarães, “não se verificou uma grande evolução”, entre o cenário atual e aquele que existia após a última reunião do Fórum Médico, no que respeita às negociações entre as diversas entidades que representam a classe médica e a tutela: “o país continua a necessitar de um investimento na área da saúde superior àquele que tem sido feito (em 2016, o investimento público para a saúde era de 4,8% do PIB). Por outro lado, os jovens médicos continuam a sair do país e o governo ainda não encontrou uma fórmula que permita fixar os jovens no SNS, a população médica continua a envelhecer a um ritmo superior ao da população em geral e mantemos sérios problemas nas áreas geográficas mais carenciadas e periféricas. Isto significa que estão a aumentar as desigualdades em saúde e combater este problema é um grande desiderato para a OM”. Perante a atual conjuntura de impasse negocial entre sindicatos e tutela, Miguel Guimarães garantiu também que caso as estruturas sindicais decidam avançar em definitivo para uma paralisação a OM apoiará essa luta.

Impasse nas negociações e «bruma» eleitoral marcam a agenda

Em comentário às conclusões desta reunião do Fórum Médico, o presidente da APMGF, Rui Nogueira, não deixou de frisar o cariz único da época em que vivemos: “estamos perante um impasse nas negociações entre os sindicatos e o governo e há a consciência, por parte da classe médica, de que neste momento e com eleições à porta é muito difícil «politizar» muitas das questões que dizem respeito aos nossos interesses. Defendi nesta reunião, aliás, que devemos todos informar muito bem a opinião pública, assegurar-nos de que está bem ciente dos problemas que estamos a atravessar”. O dirigente da APMGF secunda também Miguel Guimarães, reivindicando mais investimento no SNS e em particular nos cuidados de saúde primários (CSP): “o que percebemos é que não existe uma política de investimento e a capacidade de gerar recursos para melhorar a saúde dos portugueses. Cada vez sentimos mais dificuldades diárias na prestação de cuidados de saúde, assistimos a um número crescente de cortes em recursos humanos e instalações e isto é preocupante. Um exemplo paradigmático, no âmbito dos recursos humanos, é o dos concursos para os jovens especialistas. Não se compreende que estejamos em setembro e que já depois de ter surgido a notícia de que está desbloqueada pelas Finanças a autorização para a abertura de concurso tudo permaneça na mesma. Não é fácil de entender como estes processos demoram tanto tempo!”.

Sobre a greve, Rui Nogueira afirma: “é ridículo, mas parece que o Ministério da Saúde está a espera que aconteça uma nova greve. Diga-se, aliás, que a estratégia da tutela levar as discussões para o Ministério das Finanças não é sequer, a meu ver, um bom argumento para parar o processo. Se existe desinvestimento no SNS e se as negociações estão no Ministério das Finanças, então estão no local adequado para que possamos ter uma política real de investimento e de defesa da saúde das populações”.

Leia Também

Fixação de MF no Interior não se resolve apenas com incentivos

APMGF aponta má comunicação entre níveis de cuidados como um dos principais problemas do SNS

Processo de recrutamento de assistentes graduados seniores desrespeita a MGF

Recentes

Menu