Gerais
0

Já há orientações concretas sobre o exame final do Internato

14º ENIJMF

Os internos de MGF estão inquietos com o novo modelo de exame final do Internato que irá ser posto em prática já em 2016. A sessão do 14º ENIJMF sobre a avaliação final do Internato, moderada por Ana Nunes Barata e Tiago Maricoto, internos do 4º ano de MGF, Maria da Luz Loureiro, coordenadora do Internato Médico de Medicina Geral e Familiar da Zona Norte, e José Maria Silva Henriques, presidente do Colégio de MGF da Ordem dos Médicos, permitiu conhecer alguns dados concretos sobre esta matéria.
 
De acordo com o presidente do Colégio de MGF e coordenador da comissão para a elaboração do teste nacional de escolha múltipla, esta prova teórica será testada em janeiro de 2016, com a colaboração voluntária de internos de todas as regiões do país que vão fazer o exame final em outubro de 2015.

     

O Colégio aponta para um teste de escolha múltipla com cerca de 100 perguntas em dez áreas diferentes de abrangência prática da Medicina Geral e Familiar: hipertensão, saúde materna, diabetes, etc. No que se refere à prova prática, será sorteado um caso clínico entre três. Há quem proponha a realização de Objective Structured Clinical Examination (OSCE). Contudo, o Colégio de MGF defende apenas a discussão de casos clínicos. No que se refere à bibliografia, José Maria Silva Henriques esclarece que é a mesma que se encontra indicada nas cadernetas de estágio das Coordenações do Internato.

 
Quanto à prova curricular, o Colégio aponta para um número máximo de 80 páginas, mas ainda vai pedir a opinião das coordenações do Internato, da Associação de Docentes e Orientadores de MGF (ADSO) e da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF). Neste domínio, Maria da Luz Loureiro propôs um compromisso, entre as Coordenações do Internato e o Colégio de MGF da OM, no sentido de ser mantida, em 2016, a atual grelha de avaliação curricular.
 
“Foi com essa grelha curricular que os internos trabalharam até agora e 2016 está à porta”, explica José Maria Silva Henriques. “Não somos extremistas, nem queremos prejudicar ninguém, pelo que é razoável manter a grelha atual”. Contudo, esta terá de ser alterada já em 2017.

Leia Também

Evento com alteração de datas e presença confirmada do Presidente da República

ARSLVT recebe 173 novos “bravos” que vão estrear programa de formação

Ministro considera proposta de nova métrica um “trabalho sério” mas não se compromete com datas para implementação inicial

Recentes

Menu