Política de saúde
0

Menos de 10% das organizações da saúde consideram ser auscultadas pelos políticos

Inquéritos na área da cidadania revelam:

De acordo com os resultados de inquéritos realizados junto de mais de 600 cidadãos e 78 organizações de pessoas com doença e outras na área da saúde, menos de 10% das organizações referem ter sido envolvidas pelos deputados à Assembleia da República ou pela Comissão Parlamentar de Saúde, nos seus trabalhos e decisões.

Ainda assim, um terço das organizações inquiridas considera que tem influência na política de saúde. Os resultados revelam também uma crença generalizada na ausência de cultura e experiência de colaboração entre as organizações da sociedade civil e as instituições públicas e sublinham o excesso de burocracia do sistema de saúde, sendo estas as principais razões apontadas como principais barreiras ao envolvimento na tomada de decisão.

As associações querem iniciativas de capacitação para a participação na decisão em saúde e também iniciativas de sensibilização dos decisores, enquanto os cidadãos/pessoas com doença querem que as organizações que os representam sejam parceiros na tomada de decisão, juntamente com profissionais de saúde e representantes do Ministério da Saúde.

Os resultados desta auscultação foram apresentados durante o Fórum “Mais participação, melhor saúde”, que decorreu no auditório do Edifício Novo da Assembleia da República, no dia 18 de outubro.

No mesmo evento foi ainda apresentada oficialmente a Carta para a Participação Pública em Saúde – assinada por 72 organizações da área da saúde e 29 personalidades de relevo na área da saúde e da participação.

É importante também recordar que está a decorrer uma petição que já recolheu quase metade das 4000 assinaturas necessárias para que a Carta para a Participação Pública em Saúde seja discutida pelo plenário da Assembleia da República.

Leia Também

Mudança nas Políticas de Saúde

APMGF defende que com ou sem Direção Executiva do SNS é inadiável uma mudança de fundo nas políticas de Saúde

Fernando Araújo escolhido como diretor executivo do SNS

OM quer que TC fiscalize norma do Orçamento de Estado que permite contratação de não especialistas

Recentes

Menu