Gerais
0

Porto recebeu mais de uma centena de formandos

Programa de Formação AAP 2016 já arrancou

A primeira sessão do Programa de Formação AAP 2016 – Atualização em Medicina Geral e Familiar (MGF), promovida pela LiveMed Iberia em parceria com a Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF), decorreu no dia 25 de outubro, no Porto, com aproximadamente 130 participantes inscritos. Ao longo de um só dia de formação intensa, foram abordadas sete temáticas chave para a consulta do médico de família: DPOC, LUTS/HBP, anti-coagulação oral, ansiedade, hepatite C, abordagem ao doente crónico com síndrome do intestino irritável e novas abordagens no tratamento da diabetes.
 
O modelo destas sessões baseia-se num conceito muito prático, com a discussão de vários casos clínicos descritos por peritos em cada uma das áreas, sendo os participantes convidados a votarem (através de plataforma electrónica) em questões fundamentais para a resolução de cada caso. No final de cada segmento temático, perguntas formuladas pela audiência e recolhidas pelos assistentes de sala são apresentadas pelo moderador ao especialista convidado. Este figurino formativo – que tem conhecido um enorme sucesso em Espanha nos últimos anos – chega agora a Portugal e conta com o apoio científico e orientação da APMGF. No dia 8 de novembro a experiência será replicada em Lisboa e a 22 de novembro em Coimbra.
 
De acordo com o diretor científico do programa em Portugal, Arquimínio Eliseu, os temas eleitos para este programa não poderiam estar mais em linha com as necessidades da Medicina Geral e Familiar (MGF), uma vez que “são atuais e surgem associados à prática clínica diária do médico de família”. Por outro lado, para o diretor cientifico do programa em Portugal, “o facto de as sessões temáticas realizadas ao longo da jornada de trabalho serem de curta duração, acaba por contribuir para a atenção redobrada por parte dos participantes” e, indiretamente, para a eficácia da formação. Arquimínio Eliseu garante também que a APMGF está interessada em “tomar o pulso a estas primeiras sessões”, no sentido de perceber que ajustes poderão ser feitos ao programa formativo, quer no que respeita aos tópicos abrangidos, quer a pormenores da organização.
 
Já Rui Nogueira, presidente da APMGF, reforça que esta é acima de tudo uma proposta de formação de proximidade: “conseguimos concentrar a formação num só dia, com vários temas expostos a grupos pequenos de profissionais de uma forma interativa, ao estilo de um workshop. Depois – e mais significativo – este programa tem a virtualidade de poder ser itinerante, com os mesmos temas a serem debatidos em locais distintos. Ou seja, ao invés de os médicos de família serem obrigados a deslocarem-se a um grande evento nacional, é o evento que se desloca até junto do médico. Esta era uma solução de formação contínua que nos faltava e que pretendemos promover de forma intensa em 2017, alargando o seu alcance a cidades de menor dimensão”.
 
No sentido de dar contornos concretos a esta ambição de maior proximidade aos médicos que trabalham fora dos grandes centros urbanos do litoral, para 2017 estão já agendadas ações de formação para Braga, Viseu e Évora, em acréscimo às sessões nas três principais cidades do país (Coimbra, Porto e Lisboa). Outras cidades de média dimensão devem também ser incluídas no Programa AAP, à medida que o ano avançar.

Formato inovador e eminentemente prático

Segundo revelou ao «MGF Notícias» José Molero (diretor cientifico do programa em Espanha e especialista de Medicina Familiar e Comunitária no Centro de Saúde de San Andrés – Madrid), através desta iniciativa os clínicos portugueses “terão acesso a um programa de atualização intensiva em várias áreas terapêuticas de interesse para o médico de família. Trata-se de um programa de formação continuada e presencial de enorme qualidade, avaliado ao longo de uma longa e bem-sucedida trajetória em Espanha. Este programa desenvolve-se de forma anual e ininterrupta desde há 12 anos, e a cada ano tem formado cerca de 5 mil médicos de família espanhóis”.

Ainda de acordo com o mesmo responsável, o formato do programa é “inovador e eminentemente prático, na medida em que se utiliza como base um conjunto de casos clínicos reais, a partir dos quais se colocam questões aos participantes que, por sua vez, podem expressar as suas opiniões e experiência por intermédio de um sistema interativo de votação eletrónica. O conteúdo é muito prático, didático e útil para a prática clínica. Para além do mais, oferece-se aos formandos a possibilidade de ampliarem a informação que recebem através de ferramentas online (blog, redes sociais), nas quais os formadores podem acrescentar posteriormente conteúdos que complementam o curso presencial”.

Uma das principais vantagens deste tipo de formação parece ser a eficácia da intervenção formativa, como conclui José Molero: “os formandos investem uma única jornada do seu tempo, para obter uma quantidade importante de informação científica rigorosa, atualizada, independente e de elevada qualidade. O programa desencadeia uma visão ampla das patologias mais prevalentes entre a população com a qual estes formandos tomam contacto diariamente. De facto, a atividade formativa acaba por transformar-se em algo muito útil na prática diária e no exercício profissional da Medicina de Família”.

Não restam também dúvidas de que os participantes apreciam a estrutura e os resultados finais da formação. “Em todas as edições do programa realizámos inquéritos de satisfação junto dos formandos. Os comentários são sempre muito positivos, no que respeita à qualidade dos conteúdos e à organização. A quase totalidade dos participantes considera que a formação é de franca utilidade para a sua prática diária, que a informação é imparcial e que estariam interessados em realizar mais cursos, em futuras edições. Aliás, uma elevada percentagem dos formandos que se inscrevem no programa já integrou edições prévias e a cada ano que passa o número de participantes aumenta”, testemunha José Molero.

 

Consulte o Programa da Ação de Formação AAP 2016 em Lisboa (8 de novembro)

Consulte o Programa da Ação de Formação AAP 2016 em Coimbra (22 de novembro)

Leia Também

Delegação da APMGF visita centros de saúde madeirenses

Cursos de carácter prático corresponderam às expectativas

Trabalhos arrancam com elevada adesão

Recentes

Menu