Gerais
0

Prémio Miller Guerra regressa em 2017 para homenagear um médico de família

Candidaturas já podem ser submetidas à Ordem dos Médicos

Em 2017 será de novo entregue pela Ordem dos Médicos (OM) e pela Fundação Merck Sharp & Dohme o Prémio Miller Guerra de Carreira Médica a um clínico que se tenha distinguido no campo da Medicina Geral e Familiar (MGF) e dos cuidados de saúde primários. O período para receção de candidaturas a este prémio bianual (com um valor pecuniário de 50 mil euros) decorre entre 12 de dezembro de 2016 e 27 de março de 2017. Os candidatos devem ter nacionalidade portuguesa e as propostas de candidatura podem ser submetidas por instituições de saúde públicas ou privadas, grupos de profissionais de saúde e grupos de cidadãos. De recordar, ainda, que a submissão de candidaturas deve ser concretizada através de impresso próprio, requerido na sede da OM ou obtido no website da Ordem (www.ordemdosmedicos.pt). As candidaturas devem também sem acompanhadas de documentação que possa comprovar a excelência das carreiras dos candidatos.

Em comunicado oficial, a OM assegura que o prémio «volta em 2017 com a finalidade de premiar a vertente humanista da medicina, homenageando também a memória do Prof. Miller Guerra». De recordar que, em 2013, este galardão foi atribuído Mário Moura, figura incontornável da MGF e presidente honorário da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF). Em 2015, numa distinção à carreira hospitalar, o prémio foi atribuído ao cirurgião pediátrico António Gentil Martins.

Segundo as regras estipuladas para o Prémio Miller Guerra, as carreiras médicas dos candidatos deverão caracterizar-se pelo «exemplo humanitário, sólidos conhecimentos técnicos e científicos, uma enorme dedicação aos princípios do juramento de Hipócrates, bem como por uma aptidão para a liderança. A capacidade de atração e formação de seguidores e um impacto positivo na instituição em que trabalham, na sociedade médica e na sociedade em geral serão também critérios a considerar».

O Prémio destina-se a médicos em atividade ou reformados, não podendo ser atribuído a dois ou mais candidatos, ou a título póstumo. O júri é composto por um presidente (o bastonário da OM), por um vice-presidente (presidente da Fundação MSD), os três presidentes dos Conselhos Regionais da OM, um representante da sociedade civil designado pela Fundação MSD, um membro médico da comunidade académica a designar pelo Conselho de Reitores, o presidente da Associação dos Médicos de Carreira Hospitalar, o presidente da APMGF e um secretário a designar pela OM.

O Prémio Miller Guerra transporta o nome de um dos mais brilhantes e influentes médicos portugueses. O Professor João Pedro Miller Pinto de Lemos Guerra nasceu em Trás-os-Montes (Vila Flor), licenciou-se em Coimbra e prosseguiu a sua carreira científica investigando semiologia neurológica ao lado de Egas Moniz. Professor universitário em Lisboa, diretor do serviço de Neurologia do Hospital de Santa Maria, membro da Academia de Ciências, bastonário da Ordem dos Médicos, foi também deputado da “Ala Liberal” com Sá Carneiro, Magalhães Mota, Mota Amaral, Pinto Balsemão, entre outros. Em todas estas atividades Miller Guerra sempre se distinguiu pela inteligência e vasta cultura geral, pela curiosidade científica e pela disponibilidade permanente para os outros. É essa dimensão humanista, tal como o exemplo de uma carreira exemplar ao serviço dos doentes e do progresso da assistência médica em Portugal, que o prémio com o seu nome pretende homenagear.

Leia Também

Medicina Familiar exibe inovação, renovação… e alguma insatisfação

Fórum Médico reuniu parceiros do setor para debater dimensão das listas dos MF

RPMGF vai ser exclusivamente eletrónica e será enviada por e-mail

Recentes

Menu