Política de saúde
0

Processo de recrutamento de assistentes graduados seniores desrespeita a MGF

Comunicado oficial da Direção da APMGF

Lisboa, 30 de agosto de 2017O Despacho n.º 7509/2017 dos Ministros das Finanças e da Saúde publicado em Diário da República (DR) – 2.ª série, N.º 164, de 25 de agosto autoriza a abertura de procedimentos de recrutamento conducentes ao preenchimento de 200 postos de trabalho referentes à categoria de assistente graduado sénior. Mas o Despacho n.º 7541/2017 do Gabinete do Secretário de Estado da Saúde publicado no mesmo DR determina a distribuição dos postos de trabalho contemplando a Medicina Geral e Familiar (MGF) apenas com 29 dessas 200 vagas.

A Direção Nacional da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) considera um clamoroso desinvestimento nos Cuidados de Saúde Primários (CSP), uma clara ausência de orientação estratégia e uma evidente falta de respeito pela MGF e pelos médicos de família.

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) tem 17.905 médicos (julho deste ano), 5.415 dos quais são médicos de família, ou seja cerca de 30% dos médicos do SNS.

Ao abrir apenas 29 vagas para assistente graduado sénior da carreira médica de MGF – 14,5% do total de vagas disponibilizadas – o Ministério da Saúde está a fazer uma manifesta opção política de esquecimento dos médicos de família e uma visível orientação contra o desenvolvimento do “pilar do SNS”.

Para que se verificasse um investimento com vista a “permitir o aumento das capacidades formativas a atribuir no âmbito dos internatos médicos” e a garantir o “reequilíbrio da hierarquia interna da carreira médica que, por sua vez, tem constituído o garante da qualidade que, reconhecidamente, a nível nacional e internacional, caracteriza o Serviço Nacional de Saúde”, como é expresso na introdução do Despacho n.º 7509/2017, seria imperioso que a tutela abrisse mais de 60 vagas para recrutamento de assistentes graduados seniores da carreira médica de MGF, de acordo, aliás, com as fundamentações dos preâmbulos dos Despachos.

A Direção APMGF valoriza o fortalecimento das carreiras médicas e a consolidação da especialidade de MGF como estratégia de boa governação e orientação política dirigida à saúde das pessoas.

A Direção APMGF, perante o mapa de vagas publicado para este concurso, repudia a evidente falta de investimento nos CSP e manifesta o seu desagrado com esta opção política desajustada e incompreensível à luz do discurso político do Governo, pelo desrespeito da especialidade de Medicina Geral e Familiar e pelo trabalho dos médicos de família.


A Direcção da APMGF

Leia Também

Mudança nas Políticas de Saúde

APMGF defende que com ou sem Direção Executiva do SNS é inadiável uma mudança de fundo nas políticas de Saúde

Fernando Araújo escolhido como diretor executivo do SNS

OM quer que TC fiscalize norma do Orçamento de Estado que permite contratação de não especialistas

Recentes

Menu