GeraisInvestigação
0

Projeto de investigação português foi o vencedor

Junior Researcher Awards 2014 – VdGM

O projeto de investigação “Ensaio aberto aleatorizado por clusters de 18 meses, para comparar a efetividade das visitas de divulgação educacional com a disseminação habitual de Normas, para melhorar a prescrição dos médicos de família” – cujo autor principal e coordenador é o médico de família Daniel Pinto – foi o vencedor da edição de 2014 do Junior Researcher Award, galardão atribuído pelo Movimento Vasco da Gama (VdGM), a organização que congrega os internos de Medicina Geral e Familiar e os jovens MF no seio da WONCA. Trata-se de uma investigação inédita em Portugal, que pode ajudar a transformar a forma como as normas de orientação clínica são difundidas e apreendidas entre os médicos de família.
 
A investigação em causa é realizada por uma equipa que inclui também Isabel Pereira dos Santos (regente da disciplina de MGF na FCMUNL), Pedro Caetano (investigador principal do estudo e docente do Departamento de Farmacologia da FCMUNL), Inês Gomes (mestre de Saúde Pública e gestora do projeto de investigação), Bruno Heleno (docente convidado do Departamento de Medicina Geral e Familiar da FCMUNL), David Rodrigues (médico de família na UCSP de Torres Vedras – Extensão da Silveira) e Ana Luísa Papoila (investigadora do Departamento de Bioestatística e Informática da FCMUNL).
 
O projeto começou a dar os primeiros passos em 2010 e tem um objetivo central. Comparar dois cenários distintos, ao nível da adesão a boas práticas clínicas e de prescrição, por parte dos médicos de família: a colocação das normas criadas pela Direção-Geral da Saúde (DGS) no seu site para consulta dos profissionais (a via adotada no presente) e a difusão das mesmas normas através de visitas de divulgação educacional, levadas a cabo por outros médicos, formados no âmbito deste projeto de investigação especificamente para esse fim.
 
Para esta investigação foram recrutadas – entre abril de 2013 e janeiro de 2014 – 38 unidades de saúde familiar (USF) e unidades de cuidados de saúde personalizados (UCSP) da região de Lisboa e Vale do Tejo. Os investigadores vão também avaliar se o custo total desta ação de divulgação educacional é posteriormente recuperado, em poupanças conseguidas na prescrição de medicamentos, uma análise que confere a este estudo uma vertente económico-financeira. Assim, se forem comprovados ganhos na poupança de recursos e numa melhor adesão às boas práticas clínicas, este tipo de intervenção educacional poderá ser uma boa opção para implementar em larga escala pela própria DGS, em todo o país.
 
O projeto conta com uma bolsa do Ministério da Saúde, atribuída através do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge e já lhe foi conferido o selo de qualidade da European Network of Centres for Pharmacoepidemiology and Pharmacovigilance (ENCePP), uma rede integrada na Agência Europeia do Medicamento. Trata-se do primeiro estudo português a receber o referido selo de qualidade, por cumprir os requisitos metodológicos exigidos pela ENCePP. Em janeiro de 2014, o protocolo do estudo foi publicado na revista internacional Implementation Science.

Leia Também

Ministro da Saúde mostrou-se recetivo às ideias da APMGF sobre redimensionamento de listas

Direção Nacional da APMGF emite comunicado a expressar solidariedade

Associação solidariza-se com greve nacional de médicos

Recentes

Menu