GeraisInvestigação
0

Projeto de investigação português foi o vencedor

Junior Researcher Awards 2014 – VdGM

O projeto de investigação “Ensaio aberto aleatorizado por clusters de 18 meses, para comparar a efetividade das visitas de divulgação educacional com a disseminação habitual de Normas, para melhorar a prescrição dos médicos de família” – cujo autor principal e coordenador é o médico de família Daniel Pinto – foi o vencedor da edição de 2014 do Junior Researcher Award, galardão atribuído pelo Movimento Vasco da Gama (VdGM), a organização que congrega os internos de Medicina Geral e Familiar e os jovens MF no seio da WONCA. Trata-se de uma investigação inédita em Portugal, que pode ajudar a transformar a forma como as normas de orientação clínica são difundidas e apreendidas entre os médicos de família.
 
A investigação em causa é realizada por uma equipa que inclui também Isabel Pereira dos Santos (regente da disciplina de MGF na FCMUNL), Pedro Caetano (investigador principal do estudo e docente do Departamento de Farmacologia da FCMUNL), Inês Gomes (mestre de Saúde Pública e gestora do projeto de investigação), Bruno Heleno (docente convidado do Departamento de Medicina Geral e Familiar da FCMUNL), David Rodrigues (médico de família na UCSP de Torres Vedras – Extensão da Silveira) e Ana Luísa Papoila (investigadora do Departamento de Bioestatística e Informática da FCMUNL).
 
O projeto começou a dar os primeiros passos em 2010 e tem um objetivo central. Comparar dois cenários distintos, ao nível da adesão a boas práticas clínicas e de prescrição, por parte dos médicos de família: a colocação das normas criadas pela Direção-Geral da Saúde (DGS) no seu site para consulta dos profissionais (a via adotada no presente) e a difusão das mesmas normas através de visitas de divulgação educacional, levadas a cabo por outros médicos, formados no âmbito deste projeto de investigação especificamente para esse fim.
 
Para esta investigação foram recrutadas – entre abril de 2013 e janeiro de 2014 – 38 unidades de saúde familiar (USF) e unidades de cuidados de saúde personalizados (UCSP) da região de Lisboa e Vale do Tejo. Os investigadores vão também avaliar se o custo total desta ação de divulgação educacional é posteriormente recuperado, em poupanças conseguidas na prescrição de medicamentos, uma análise que confere a este estudo uma vertente económico-financeira. Assim, se forem comprovados ganhos na poupança de recursos e numa melhor adesão às boas práticas clínicas, este tipo de intervenção educacional poderá ser uma boa opção para implementar em larga escala pela própria DGS, em todo o país.
 
O projeto conta com uma bolsa do Ministério da Saúde, atribuída através do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge e já lhe foi conferido o selo de qualidade da European Network of Centres for Pharmacoepidemiology and Pharmacovigilance (ENCePP), uma rede integrada na Agência Europeia do Medicamento. Trata-se do primeiro estudo português a receber o referido selo de qualidade, por cumprir os requisitos metodológicos exigidos pela ENCePP. Em janeiro de 2014, o protocolo do estudo foi publicado na revista internacional Implementation Science.

Leia Também

Médicos de família têm de abraçar os social media sem reservas

Dagmara Paiva conclui provas com trabalho sobre literacia em saúde na área da diabetes tipo 2

Número recorde de trabalhos científicos dignifica a especialidade

Recentes

Menu