Gerais
0

Relação médico-doente poderá vir a ser património imaterial da humanidade

XVII Encontro de MGF do Alto Minho

Na sessão de encerramento do XVII Encontro de MGF do Alto Minho, Miguel Guimarães, presidente da Secção Regional do Norte da Ordem dos Médicos (SRNOM), realçou a importância da Medicina Geral e Familiar no SNS e avançou com a possibilidade da relação médico-doente vir a ser considerada património imaterial da humanidade.

“Os nossos comportamentos estão a ser um pouco alterados, devido à enorme pressão que existe neste momento, quer nos cuidados de saúde primários, quer nos hospitais”, alertou.

Contudo, o tempo constitui a base da relação médico-doente. Nesse sentido, o Fórum Ibero-americano das Entidades Médicas (FIEM), reunido em Coimbra ao mesmo tempo que decorria, em Caminha, o XVII Encontro, enviou uma proposta à UNESCO no sentido de que “a relação médico-doente passe a fazer parte do património mundial”.


     


Esta iniciativa, na perspetiva de Miguel Guimarães, tem um significado muito importante. “Precisamos de mais tempo para estar com o doente, conversar com ele, ouvir a sua história, conhecer o seu meio social, fazer os registos nos sistemas informáticos e os respetivos relatórios”, explicou.

Em países como a Suíça e a Bélgica, “os tempos mínimos de consulta são de aproximadamente 35 minutos”. No nosso país, a realidade é bastante diferente. Nos hospitais, a média oscila entre 10 a 15 minutos. Nos cuidados de saúde primários, Miguel Guimarães salientou a enorme pressão que é exercida sobre os médicos de família. Com listas de 1900 utentes, “é difícil que possam dedicar uma parte importante do vosso tempo à promoção da saúde e prevenção da doença”.

Esta questão foi também referida por António Fradão, diretor clínico da Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM) que, dirigindo-se especificamente aos mais médicos mais novos, sublinhou a importância da prevenção quaternária e do desenvolvimento da relação médico-doente.

Aquele responsável frisou ainda a relevância dos Encontros do Alto Minho em termos de atualização profissional, divulgação de conhecimentos e de trabalhos científicos. Este ano, foram enviados para apreciação do júri cerca de 200 resumos de comunicações, tendo sido apresentados 90 pósteres e 50 comunicações orais.

Na sessão de encerramento do Encontro foram entregues um total de 12 prémios e menções honrosas nas várias categorias (temas de revisão, avaliação e melhoria contínua da qualidade, investigação e relatos de prática).

Leia Também

Paulo Santos conclui provas com tese sobre uso de ECG nos CSP

Uma data para recordar!

35 recém-especialistas da região centro denunciam contexto insustentável

Recentes

Menu