Gerais
0

Retinopatia foi tema chave numa efeméride assinalada em grande nos CSP

Dia Mundial da Diabetes celebrou-se a 14 de novembro

Celebrou-se em 14 de novembro o Dia Mundial da Diabetes, este ano dedicado em grande medida ao tema da sensibilização para o rastreio da retinopatia diabética.

Estima-se que em todo o globo existam aproximadamente 420 milhões de doentes diabéticos e em Portugal a prevalência estimada da diabetes é de 13,1% entre as pessoas com idade compreendida entre os 20 e os 79 anos («Factos e Números da Diabetes – 2015»), percentagem a que acrescem ainda os indivíduos com pré-diabetes. A International Diabetes Federation calcula que um em cada dois diabéticos adultos desconheça que possui a doença.

A jornada de sensibilização ficou marcada um pouco por todo o país com centenas de iniciativas realizadas em unidades dos cuidados de saúde primários, a maior parte delas centrada na partilha de informação sobre a doença, os seus sintomas e sobre a promoção de estilos de vida saudáveis. Foram igualmente em número significativo as ações de rastreio da retinopatia, uma das mais graves consequências da diabetes e que é ainda desconhecida por uma larga fatia da população nacional.

De referir que o primeiro estudo epidemiológico no país sobre a retinopatia diabética, realizado por especialistas da Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal (APDP), examinou recentemente mais de 52 mil pessoas com diabetes e concluiu que 16,3% sofrem da doença que é a principal causa de cegueira (evitável) na população ativa. O RETINODIAB foi implementado entre julho de 2009 e dezembro de 2014, em pessoas com diabetes tipo II, após 5 anos de seguimento e compreende a área geográfica de Lisboa e Vale do Tejo, onde a APDP realiza rastreios anuais.

De acordo com José Manuel Boavida, presidente da Fundação Ernesto Roma, a diabetes necessita de ser combatida não só com os indispensáveis meios clínicos à disposição da sociedade, mas também com muita comunicação, abertura e diálogo: “a diabetes é para além de uma doença silenciosa, uma doença «silenciada». Isto porque são os doentes que controlam a doença no dia a dia e habituam-se a empurrar as dificuldades para dentro, já que a patologia ainda é alvo de estigma. Estas pessoas vivem assim com uma angústia no interior e é fundamental que todos nós comecemos a valorizar o auto-controlo fantástico que os diabéticos conseguem realizar, de forma a levarem por diante a sua rotina. Por outro lado, é preciso lembrar que em alguns países existem muitos grupos de suporte para os diabéticos, que os ajudam a lidar com tamanha pressão, algo que não acontece em Portugal”.

Leia Também

Debate Dia Mundial MF 2022

Condições de trabalho, remuneração e contratação de MF têm de ser revistas

Presidente da APMGF analaisa contexto da MGF em Portugal

Presidente da APMGF analisa contexto atual da MGF no nosso país

Webinar Contratualização Diferido

Aceda ao webinar sobre a contratualização em diferido

Recentes

Menu