Gerais
0

SIM e FNAM avançam para paralisação

Greve de médicos convocada para 10 e 11 de maio:

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e a Federação Nacional dos Médicos (FNAM) apresentaram pré-avisos de greve para os dias 10 e 11 de maio, face a um conjunto de dossiês críticos cuja resolução, no entender daquelas organizações sindicais, continua a ser protelada pelo Ministério da Saúde. No seu pré-aviso, o SIM declara que “o Governo contribui para a degradação das condições de trabalho dos médicos e a degradação remuneratória, “«empurrando» muitos médicos para as empresas privadas, que os recebem como recursos humanos com elevado potencial de rendimento e transformando a Saúde dos portugueses num bem entregue ao sector financeiro”. Adiantando várias vezes no documento que “a paciência, a compreensão e a colaboração têm limites!”, aquele sindicato sublinha o facto de os médicos serem “os únicos trabalhadores do SNS obrigados à prestação de trabalho extraordinário e sem que seja respeitado o limite geral das 150 horas anuais!”. Entre as exigências feitas pelo SIM e que justificam esta greve está também o “reajustamento das listas de utentes dos Médicos de Família, privilegiando o critério das unidades ponderadas (que devem ser revistos) e tendo em atenção que os limites numéricos são máximos e não mínimos, de modo a garantir a acessibilidade e qualidade dos cuidados e a diminuição da atual sobrecarga assistencial dos Médicos de Família, tanto mais que o Ministério da Saúde se compraz com a afirmação de que o número de Portugueses sem Médico de Família está a cair constantemente”.

Já a FNAM elenca, entre os objetivos da greve, o “reajustamento das listas de utentes dos Médicos de Família, privilegiando o critério das unidades ponderadas e procedendo à diminuição progressiva dos atuais 1900 utentes passando para 1550”. Aquele sindicato quer ainda o “desencadeamento imediato do processo de revisão da Carreira Médica e das respetivas grelhas salariais”, a abertura “imediata dos vários concursos de progressão na Carreira Médica, bem como os concursos de mobilidade e de provimento abertos”, a “diminuição da idade de reforma para os médicos, como profissão sujeita a elevados níveis de risco, penosidade e desgaste” e a “atribuição de incentivos às UCSP nos Cuidados Primários de Saúde, num modelo que tenha em conta a experiência adquirida com as USF e que não discrimine aquele sector laboral de médicos de família, bem como a anulação das quotas para a passagem das USF de modelo A para modelo B”.

Leia Também

Debate Dia Mundial MF 2022

Condições de trabalho, remuneração e contratação de MF têm de ser revistas

Presidente da APMGF analaisa contexto da MGF em Portugal

Presidente da APMGF analisa contexto atual da MGF no nosso país

Webinar Contratualização Diferido

Aceda ao webinar sobre a contratualização em diferido

Recentes

Menu