Gerais
0

Todos contra!

Alargamento das listas acima de 1900 utentes

Face à proposta da tutela de aumento das listas para além de 1900 utentes, a Ordem dos Médicos, a Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar e os sindicatos médicos posicionaram-se imediatamente contra. Designadamente, a APMGF “não irá aceitar ou tolerar medidas isoladas, desconexas e despropositadas que no futuro prejudicarão – em termos de rigor e qualidade – o trabalho que os médicos de família desenvolvem em prol dos utentes”.

A Direção Nacional da APMGF contesta qualquer medida que venha a ser tomada no sentido de um alargamento administrativo das listas dos médicos de família, para mais quando executada apenas com base numa lógica numérica, sem atender à ponderação de fatores fundamentais como o contexto sócio-económico da região, a estratificação etária dos utentes ou a prevalência de doenças crónicas de elevado impacto na comunidade e de outros indicadores de saúde e sociodemográficos. Assim, a Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) reagiu através de comunicado às notícias veiculadas sobre a intenção do Ministério da Saúde em aumentar a lista dos médicos de família nas áreas do país com carências de acesso a cuidados de saúde primários. Leia aqui o comunicado integral da Direção Nacional da APMGF.

A tomada de posição da Associação surge após a reunião da tutela com os sindicatos médicos, no passado dia 8 de abril, referente ao aumento voluntário das listas dos médicos de família das USF Modelo A e UCSP, mediante a atribuição de incentivos financeiros.

De acordo com informações transmitidas pelo Gabinete do Ministro da Saúde, está a ser preparado “um conjunto de medidas para colmatar a falta de especialistas de MGF”, existindo “a ideia de possibilitar acréscimo das listas de utentes para os médicos de família que o aceitem voluntariamente, desde que haja essa necessidade objetiva (zonas carenciadas) e com o acordo dos sindicatos”.

Embora o Gabinete refira que o número de 2500 utentes por lista não está em cima da mesa, fontes dos sindicatos asseguraram ao nosso jornal que a proposta inicial da tutela continha claramente a indicação de que o Ministério da Saúde estava disposto a suplementar as listas até àquele limite máximo, em áreas do país onde existam carências de acesso comprovadas.

A urgência da tutela não é a dos sindicatos e a dos médicos

Os sindicatos contrapropuseram que sejam aplicadas nessas áreas as regras já em vigor para as USF modelo B, sobretudo o critério da contabilização em Unidades Ponderadas (UP), estabelecendo-se um máximo de 2.358 UP, a que equivalem, em média, 1900 utentes. Poderiam aderir os médicos inseridos na Carreira Médica (com regime de horário que não o das 40 horas semanais) e que atualmente possuam listas não superiores a 1550 utentes.

As contra-propostas dos sindicatos deverão ser remetidas dentro em breve ao Ministério da Saúde, prevendo-se que seja agendada uma nova reunião para eventualmente dar início a uma ronda negocial formal sobre a matéria.

De acordo com Henrique Botelho, da FNAM, o Ministério da Saúde tem grande urgência em avançar com o alargamento das listas de utentes. Contudo, frisa que “a urgência do Ministério da Saúde não é a dos sindicatos e a dos médicos, da mesma forma que a agenda do governo não é a dos sindicatos”.

Na sua perspetiva, “aumentar listas para cima de 2000 utentes significaria colocar em causa toda a contratualização realizada até agora. Teríamos de colocar em causa os racionais de metas e as próprias metas, porque quem disser que é possível manter a contratualização atual com listas de 2000 ou mais utentes, ou ignora o assunto ou está a tentar enganar alguém”. Com 1900 utentes, “os nossos colegas estão absolutamente nos limites… Este não é um discurso corporativo, é o discurso da realidade”.

Ministério propõe remendos em vez de soluções

Para Bernardo Vilas Boas, presidente da USF-AN, “tudo aquilo que esteja acima do intervalo médio dos 1700 a 1900 utentes por lista torna-se ingovernável, não permitindo uma prestação de cuidados competente e adequada da Medicina Geral e Familiar e da Enfermagem. A experiência das USF diz-nos que estas unidades têm em média (e em números absolutos) 1800 utentes por lista de equipa nuclear e sabemos que mesmo quando as equipas estão completas, a exigência já é enorme para gerir esta dimensão”.

Mais importante do que o aumento da remuneração dos profissionais devido ao aumento das listas, “deverá ser, no caso das USF modelo A, a sua evolução para modelo B, que trará naturalmente – e sempre que possível – o aumento de listas de utentes face à maior maturidade da organização”.

Na perspetiva do médico de família, “a orientação do Ministério não deve ser a do facilitismo, mas sim a da exigência. Foi esse o caminho que percorremos até aqui e será esse o caminho que devemos continuar a percorrer. Não é aceitável que no final de mandato um Ministério que não fez o que deveria ter feito para dar resposta às carências venha agora, à ultima hora, propor remendos que, mais do que uma solução, se possam constituir como uma forma de encravar os problemas”.

Por seu turno, o Bastonário da Ordem dos Médicos (OM) considera que “as listas de 1900 utentes já são exageradas”, não permitindo um trabalho de máxima qualidade e uma normal acessibilidade dos utentes. José Manuel Silva refere que “pode, eventualmente, num período transitório, o Ministério entender negociar com os sindicatos – para os médicos que o aceitem e tenham as suas listas completas, como é óbvio – o pagamento de horas extraordinárias durante o tempo que for necessário para acomodarem mais doentes”. Mas, dentro do horário normal de trabalho, “não é possível receber mais utentes”. Aliás, a posição da OM é a de que, “no futuro, quando houver médicos de família suficientes, o número de utentes por médico de família deverá reduzir-se e voltar, tendencialmente, àquilo que era antes da última negociação entre os sindicatos e o Ministério da Saúde”.

 

 

Leia Também

Estão abertas candidaturas para integração de novos editores juniores

Quadros da APMGF aprovam plano de ações

Conselho de Ministros avança com descentralização de competências na área dos CSP

Recentes

Menu