Gerais
0

Uma data para recordar!

Dia Mundial do Médico de Família – 19 de maio de 2015

Celebrou-se a 19 de maio o Dia Mundial do Médico de Família. A Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) fez, com o apoio dos Médicos de Família e Médicos Internos da Especialidade, passar uma mensagem crucial – o Médico de Família é essencial na promoção da saúde dos portugueses. A Associação esteve, pois, em força em várias cidades do país, com uma campanha junto da comunidade, em espaços públicos concorridos.

O objetivo era o de informar os portugueses sobre a relevância da nossa especialidade, sensibilizar a comunidade sobre a importância dos cuidados de saúde da pessoa e da família e defender a valorização do Médico de Família.


     


Assim, mais de 400 Médicos de Família e Médicos Internos da Especialidade participaram, em cerca de 60 localidades do país, nas ações de campanha, distribuiram a brochura «A Medicina Geral e Familiar em Imagens» e um folheto através do qual a população teve a possibilidade de remeter mensagens sobre o que pensa que necessita de ser melhorado nos CSP em Portugal e no trabalho do Médico de Família. Muito procurados e apreciados foram os balões e as t-shirts alusivas à efeméride.
De manhã, durante a sessão solene realizada no Auditório Guilherme Jordão, no Centro de Saúde de Sete Rios (Lisboa), o Presidente da Associação, Rui Nogueira, garantiu que “o país está hoje a viver uma situação difícil naquilo que diz respeito à acessibilidade aos cuidados de saúde. Temos mais dificuldade hoje do que tínhamos no passado, muito embora tenhamos esperança de que no futuro consigamos melhorar esta acessibilidade, esta proximidade aos doentes”. O mesmo dirigente assegurou que o preocupa o freio colocado à reforma dos CSP: “a reforma dos CSP, iniciada em 2005, abrandou nos últimos dois ou três anos de uma forma incompreensível”. Esta, na sua opinião, é uma lacuna importante na evolução dos cuidados de saúde primários.
 
O Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Saúde, Fernando Leal da Costa, avançou alguns dados sobre o atual panorama dos CSP em Portugal, adiantando que se verifica uma cobertura nacional de 88%. Em matéria de assimetrias regionais, sublinhou que a cobertura no Norte é de 96,7%, no Algarve apenas de 74,1% e na ARSLVT de 78,2%.

     


“Entre 2010 e 2014 houve um crescimento constante e permanente de unidades clínicas de prestação de cuidados nos CSP (UCSP e USF)”, explicou Leal da Costa, para quem “é um pouco injusto, para não dizer prematuro, afirmar que tenha havido ou esteja a haver desinvestimento nos cuidados de saúde primários, nomeadamente naquilo que se prende com a abertura de unidades de saúde familiar”.

Já para o Bastonário da Ordem dos Médicos, José Manuel Silva, a existência de um dia mundial para esta especialidade clínica, algo que não acontece com as suas congéneres, é uma distinção que “não acontece por acaso. A Medicina Geral e Familiar é a especialidade mais eclética, mais abrangente e mais necessária. Qualquer sistema de saúde que se queira coerente e sustentável, tem de apostar na Medicina Geral e Familiar”.

     

Na perspetiva de José Manuel Silva, “seria desejável que todos os portugueses tivessem acesso a um médico de família e quanto a mim, para além de desejável, seria possível. Somos o quarto país da Comunidade Europeia com mais médicos”. Contudo, “cerca de 1.500 médicos de família reformaram-se nos últimos anos antecipadamente. Se tivessem sido instituídas medidas para os manter no sistema ou para os atrair depois de reformados, provavelmente aquele que era talvez o mais válido desiderato do Ministério da Saúde teria sido cumprido”.

O Bastonário acredita que no curto prazo seja possível dar um médico de família a todos os portugueses”. Esta é, na sua opinião, uma condição essencial para termos um sistema mais equilibrado, com mais ganhos em saúde e uma relação custo-benefício muito mais favorável e sem a pressão e os consequentes efeitos negativos sobre os cuidados hospitalares e continuados”.


     
     
     
     
     
     
           
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     

Leia Também

Medicina Familiar exibe inovação, renovação… e alguma insatisfação

Secretário Regional de Saúde da Madeira recebe delegação da APMGF

Ministro da Saúde mostrou-se recetivo às ideias da APMGF sobre redimensionamento de listas

Recentes

Menu