Gerais
0

Fazer os portugueses viverem melhor na terceira idade e acabar com as desigualdades em saúde

No Dia Mundial da Saúde 2018 deseja-se:

Para Adalberto
Campos Fernandes, depois de o Serviço Nacional de Saúde (SNS) ter
contribuído na última década para que os portugueses vivam em
média mais quatro anos, é fundamental no presente estabelecer um
novo desafio que vai além da longevidade e do aumento da esperança
média de vida: “o desafio agora passa por fazer os velhos viverem
melhor”. O ministro da Saúde proferiu estas palavras durante as
comemorações oficiais do Dia Mundial da Saúde, aproveitando para
deixar uma constatação em forma de desabafo: “o ministro da saúde
funciona em todas as legislaturas como uma espécie de válvula de
descompressão para os governos, de bombo da festa político”. O
governante esclareceu que a pasta que ocupa não é a de “um
ministro setorial”, mas sim de um ministro que tem a obrigação de
fazer compreender a todo o governo que a saúde é um problema de
todos.

Nesta sessão solene
comemorativa, a diretora-Geral da Saúde, Graça Feitas, relembrou
que apesar dos avanços obtidos com um SNS universalista nas últimas
décadas, em termos de acesso e resultados terapêuticos e
preventivos, o estado de saúde dos portugueses continua a ser muito
influenciado pela sua condição sócio-económica: “as
desigualdades ao nível da saúde estão relacionadas com
determinantes associadas às condições de vida, de trabalho e ao
meio físico em que as pessoas vivem”. Assim, Graça Freitas
acredita que “os determinantes sociais e ambientais devem estar no
topo das nossas preocupações”.

A cerimónia
comemorativa foi moldada pelo tema escolhido pela Organização
Mundial da Saúde (OMS) para as comemorações do Dia Mundial da
Saúde 2018, precisamente «Cobertura Universal de Saúde: para
todos, em todo o lado».

Na ocasião foi
também feito o “Retrato da Saúde em Portugal”, num debate
moderado pela jornalista Maria Elisa Domingues, com a presença do
ex-Presidente da República Jorge Sampaio, bem como de Isabel Saraiva
(Associação RESPIRA) e de António Rodrigues, Ana Filipa Castro e
Teresa dos Reis (todos representantes do Health
Parliament
). Realce ainda para a entrega do Prémio Nacional
de Saúde 2017, atribuído a João Manuel Godinho Queiroz e Melo,
“pelo seu pioneirismo na transplantação cardíaca, pelos
relevantes serviços prestados no ensino e na difusão de métodos
avançados no tratamento da doença cardíaca e pela sua vasta obra
no domínio da investigação e da cultura cardiológica nacional”.
O Ministério da Saúde entregou também mais de uma dezena de
Distinções de Mérito a figuras da saúde, como prémios de
carreira, e a pessoas singulares ou coletivas que prestaram serviços
relevantes à saúde pública.

Leia Também

Debate Dia Mundial MF 2022

Condições de trabalho, remuneração e contratação de MF têm de ser revistas

Presidente da APMGF analaisa contexto da MGF em Portugal

Presidente da APMGF analisa contexto atual da MGF no nosso país

Webinar Contratualização Diferido

Aceda ao webinar sobre a contratualização em diferido

Recentes

Menu