Gerais
0

Marcelo pede Lei de Bases da Saúde flexível do ponto de vista organizacional

Convenção Nacional da Saúde

O
Presidente da República defendeu no arranque da Convenção Nacional
da Saúde que Portugal deve ter uma Lei de Bases da Saúde com
princípios claros, mas flexível quanto a orgânicas e estruturas, e
apostar num “equilíbrio virtuoso” entre público, privado e
social. Marcelo Rebelo de Sousa presidiu, na Culturgest, à sessão
solene de abertura da iniciativa, cujo tema é «A agenda da saúde
para a próxima década».

Na
sua intervenção, o ministro da Saúde enalteceu a iniciativa, pela
oportunidade que cria ao debate de ideias e de construção de
conclusões partilhadas. Adalberto Campos Fernandes referiu que “não
é demais sublinhar o trabalho feito até agora no nosso país na
área da saúde, reconhecido por vários estudos internacionais, como
por exemplo o relatório da OCDE «Health at a Glance, 2017»”.
Ainda segundo o governante, Portugal afirma a sua liderança na
Europa em áreas tão distintas como o controlo das doenças
transmissíveis, a inovação científica ou a transformação
digital na saúde.


Rui Rio, líder do PSD, disse no decurso desta convenção que o
sociais-democratas estão disponíveis para discutir com os outros
partidos a reforma do SNS, garantindo que este deve ser um sistema
onde convivem harmoniosamente os sectores público, privado e social.

Cerca
de 90 instituições da saúde participam na Convenção Nacional que
decorre nos dias 7 e 8 de junho, em Lisboa, com o objetivo de
promover um largo debate nacional sobre o presente e o futuro da
Saúde em Portugal e contribuir para alcançar um pacto para a Saúde.

Leia Também

Curso Cuidados Paliativos visa dar “a formação básica que todos os MF devem possuir”

Cursos de carácter prático corresponderam às expectativas

Sociedades médicas dos CSP congregam esforços

Recentes

Menu