Gerais
0

Morreu Julian Tudor Hart

Criador da Lei dos Cuidados Inversos

Morreu no dia 1 de julho o médico Julian Tudor Hart, que ficou celebrizado pela famosa Lei dos Cuidados Inversos (Inverse Care Law), publicada no jornal Lancet no início da década de 70 do século passado. A referida lei constata que “a disponibilidade de bons cuidados médicos tende a variar de forma inversa à necessidade dos mesmos por parte da população servida. Esta lei dos cuidados inversos é particularmente operacional nos locais onde os cuidados médicos estão mais expostos às forças de mercado e menos nos locais onde tal exposição se encontra reduzida”.

O clínico londrino foi uma fonte de inspiração central para a o início da carreira médica de Clínica Geral no país durante os primeiros anos da década de 80, ajudando assim a lançar as sementes do que é hoje a atual Medicina Geral e Familiar em Portugal. Foi, naquela fase, uma das figuras que maior orientação deu à nova geração de médicos portugueses que procuravam desenvolver uma disciplina forte e próxima das comunidades, a atuar a partir de centros de saúde modernos, bem distribuídos pelo território e com uma abordagem holística da pessoa e dos seus problemas de saúde. Esteve em Portugal em 1979, para em conjunto com outros colegas do Royal College of General Practitioners (RCGP) – John Horder (então presidente daquele organismo), Marshall Marinke e John Walker – participar num simpósio semanal organizado na Escola Nacional de Saúde Pública. Tratou-se de um momento chave para refundação dos cuidados de saúde primários em Portugal e para o fortalecimento da Medicina Familiar.

Para Victor Ramos, médico de família e docente da Escola Nacional de Saúde Pública, torna-se evidente que estamos perante o desaparecimento de uma figura maior da Medicina: “Julian Tudor Hart foi uma das pessoas que mais de marcaram e mudaram o
meu modo de ver e a minha atitude perante a saúde, os cuidados de saúde primários e a Medicina Geral e Familiar. Referencio repetidamente, há mais de 30 anos, o seu artigo na Lancet
(1971) e a sua obra “A New Kind o Doctor”, que adquiri para a
Biblioteca da APMGF.

Leia Também

Candidaturas ao Prémio Ler+ 2019 estão abertas

APMGF lança o Grupo de Estudos da Sexualidade

“A anamnese e a exploração física representam a «alta tecnologia» para os médicos de família”

Recentes

Menu