Gerais
0

86 vagas ficaram por preencher mas taxa de ocupação aumentou em relação a 2017

Concurso para recém-especialistas

Um total de 86 vagas colocadas no concurso de ingresso para recém-especialistas de Medicina Geral e Familiar (MGF) na última semana ficaram por preencher (uma na Região Centro, 65 em Lisboa e Vale do Tejo – LVT, 18 no Alentejo e 2 no Algarve). Ainda assim, a taxa de ocupação de vagas foi superior à verificada no concurso de 2017, mas subiu apenas de 75% para 77%. Contudo, foram escolhidas mais vagas: de 237 em 2017 passou-se para 292 em 2018, o que significa um aumento de 23%. No final, foram preenchidas 292 das 378 postas a concurso, num procedimento que ficou concluído um mês mais cedo do que no ano transato.

De acordo com o presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF), Rui Nogueira, os números finais deste concurso deixam perceber uma realidade em mutação: “encontramos hoje apenas problemas em algumas unidades de saúde muito localizadas. Interessa concentrar a atenção nas assimetrias, que geram iniquidades ainda preocupantes nalgumas unidades de saúde, onde um terço ou metade da população inscrita não tem médico de família. A cobertura universal está quase a ser atingida em Portugal. Importa agora vencer os problemas pontuais”.

Leia Também

Sócios da APMGF contam com condições especiais de inscrição

Marcelo pede Lei de Bases da Saúde flexível do ponto de vista organizacional

Coimbra vai ter escultura de homenagem ao médico de família

Recentes

Menu