FormaçãoGerais
0

Formação internacional durante e após o internato veio para ficar

22º CNMGF e 17º ENIJMF

“A formação externa/internacional é uma inevitabilidade. Num futuro próximo julgo que não será sequer possível termos um programa de internato que não contemple este tipo de formação”, afirmou Rui Nogueira no 22ºCNMGF e 17º ENIJMF, no âmbito de uma sessão sobre estágios internacionais. O presidente da APMGF ressalvou ainda que é necessário criar um enquadramento que facilite também a realização de formação em unidades de saúde fora do país, em áreas de conhecimento muito específico, para os médicos que já são especialistas de Medicina Geral e Familiar mas que podem crescer enquanto pessoas e profissionais com este género de experiência formativa internacional.

Já Daniel Pinto, coordenador do Internato de MGF da Região de Lisboa e Vale do Tejo, sublinhou que existem várias barreiras à inclusão deste tipo de estágios durante o período do internato, como a circunstância de muitas vezes não ser emitida uma nota quantitativa, que impede a coordenação de lançar um certificado de avaliação que possa ser valorado na avaliação final do interno, a inexistência de informação sobre a qualidade fidedigna dos serviços de saúde onde são realizados os estágios ou a falta de garantias caso aconteça um acidente de trabalho. “Por outro lado, há que perceber se estes colegas vão colocar «a mão na massa» ou fazer estágios meramente observacionais. É que a grande maioria não se regista junto das autoridades dos países destino equivalentes à Ordem dos Médicos e, portanto, está impedida de exercer atividade clínica”.

Beatriz Silva (interna da USF Pulsar) apresentou alguns dados provenientes de uma auscultação feita a internos portugueses, dos quais se destaca o facto de grande percentagem dos inquiridos apontar a vontade de conhecer outras realidades de prática clínica e outro tipo de populações como a razão primordial para procurarem estes estágios.

O dever de potenciar ao máximo o benefício das vacinas para a saúde pública 

O congresso das Caldas da Rainha representou uma oportunidade para ilustrar o impacto positivo das vacinas na população portuguesa e reforçar o papel do médico de família, como agente fundamental na prevenção de doenças graves, cujas consequências podem ser evitadas ou mitigadas com a imunização. Relativamente à doença invasiva meningocócica do grupo B, o pediatra Gustavo Januário lembrou que já existe uma solução vacinal de quatro componentes, a primeira a ser estudada com administração concomitante de paracetamol profilático. O mesmo especialista alertou para o facto de terem diminuído o número de casos de MenB em Portugal a partir de 2014, data da chegada da vacina ao nosso mercado e para a necessidade, premente, de vacinar as crianças o mais cedo possível, já que segundo os últimos dados a doença ataca cedo, com um pico de incidência aos 5 meses de vida. Gustavo Januário abordou também o contexto britânico, já que o Reino Unido foi o primeiro país a introduzir esta vacina de quatro componentes no seu plano nacional de vacinação, tendo já sido administradas 3 milhões de doses desde setembro de 2015. “Trata-se de um caso de sucesso evidente, com diminuição de mortalidade e sem registo significativo de eventos adversos como o aumento de convulsões ou de doença de Kawasaki”.

Mas também a vacina da gripe foi objeto de profunda reflexão neste congresso. O pneumologista e colaborador da DGS Filipe Froes dissipou alguns mitos sobre as sequelas da doença, em particular a ideia de que a gripe já não mata, que apenas atinge indivíduos mais velhos e debilitados e que os vírus influenza B são menos graves nas suas consequências. Embora tenha notado que Portugal é o país com a quinta melhor cobertura vacinal contra a gripe na Europa, o pneumologista acredita que é possível fazer melhor no que respeita ao esforço vacinal e que todos devem procurar não desvalorizar o curso da doença: “eu vejo pessoas a morrerem nos cuidados intensivos como resultado direto da gripe. Trata-se de uma realidade, não de uma mistificação”. Filipe Froes apelou ainda aos profissionais de saúde para darem o exemplo: “repare-se que nos EUA, os médicos que não se vacinarem podem ser despedidos. É importante colocarmos a ênfase nos potenciais transmissores do vírus, já que tal possibilitará reduzir a cada ano o número de casos”.

Leia Também

Mérito científico reconhecido no 20º ENIJMF

20º ENIJMF encarou de frente os grandes desafios que se colocam aos jovens médicos

Delegação de Castelo Branco da APMGF já tem liderança eleita

Recentes

Menu