Gerais
0

Marta Temido considera urgente a revisão do modelo remuneratório das USF

Discussão pública do estudo «Momento Atual da Reforma dos CSP em Portugal»

Durante a discussão pública do estudo promovido pela Associação Nacional de Unidades de Saúde Familiar (USF-AN) «Momento Atual da Reforma dos CSP em Portugal», edição 2017/2018 – apresentado pelo investigador André Biscaia – a ministra da Saúde defendeu que a evolução da reforma dos cuidados de saúde primários (CSP) está intrinsecamente ligada, ela própria, à capacidade dos atores do setor repensarem o modelo remuneratório das unidades de saúde familiar (USF): “sejamos francos sobre as dificuldades com que estamos a lidar e as circunstâncias que temos em cima da mesa. Se queremos aprofundar a reforma dos CSP, temos de voltar a olhar para o modelo remuneratório das USF. Não estou a dizer que é preciso fazer um «downsizing» ou «downgrading», uma desqualificação. Estou a retratar a necessidade natural de, dez anos volvidos sobre a definição da maioria dos aspetos desse modelo, fazer a sua revisitação e reanálise”.

Marta Temido garantiu ainda que “o estatuto do modelo B das USF não pode ser algo que se cristaliza”, pelo que necessita de ser reavaliado, tal como um conjunto alargado de procedimentos e estratégias associados à reforma, porque sem reflexão profunda sobre estas matérias a reforma “não sairá desta fase, que é de alguma estagnação”. A dirigente reconheceu que existem 16 USF A já em condições para passar no presente ao modelo B e 31 unidades em processo de transição, mas que até ao final do ano não será possível criar mais USF em modelo B, já que o limite estabelecido pelos Ministérios da Saúde e das Finanças para 2018 foi atingido.

Marta Temido afiançou também que “reformar a reforma do CSP passa pela necessidade de caminharmos para a universalização do modelo USF A. Temos dado o flanco vezes demais e subsiste hoje a dúvida, entre muitos, sobre se estaremos a providenciar unidades de saúde de diversa tipologia e qualidade no SNS, face a este convívio entre UCSP, USF A e USF B”.

A governante considerou que esta foi uma jornada para ouvir os profissionais e confrontada com alguns dos indicadores negativos revelados pelo estudo (54,8% dos profissionais insatisfeitos ou muito insatisfeitos com o momento atual da reforma dos CSP, 89,3% das unidades a registarem pelo uma falha de material básico no último ano, ou a ocorrência de pelo menos um episódio de violência em 77% das unidades nos últimos 12 meses, por exemplo), garantiu: “hoje foi dia de ouvir, infelizmente, a insatisfação dos profissionais. Cumpre-nos trabalhar para inverter estes resultados”.

João Rodrigues, presidente da USF-AN, frisou que o estudo (que vai já na nona edição) e todo o trabalho de criação de propostas e estratégias fundadas nele e na análise do que se passa no terreno, é uma prova cabal de que “os profissionais têm capacidade de reflexão, de fazer o diagnóstico do que está mal, mas também soluções”. O responsável da USF-AN não quis deixar a oportunidade de discussão pública do relatório para apontar um número esclarecedor: “91,46% das USF em modelo A pretendem passar a modelo B. Esta mensagem continua a não ser entendida pelos membros do nosso governo, pelos presidentes das ARS, da ACSS e por aí fora. Ou seja, ou há modelo B, ou não há USF…”. Por outro lado, João Rodrigues retira do estudo um dado que ajuda a caracterizar o panorama atual do setor: “a insatisfação com o Ministério da Saúde é dramaticamente elevada. Com insatisfação deste nível perante os nossos dirigentes não somos obviamente capazes de fazer reformas e é isso que se está a passar. Nos últimos três anos não existe reforma dos CSP, ela não está a acontecer… estamos estagnados”.

Já Rui Nogueira, presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF), lembrou que “nos próximos 5 anos vamos ter 2 mil médicos a sair do sistema e igual número a entrar. É uma oportunidade para fazer o rearranjo das nossas unidades neste espaço de tempo e para construirmos mais USF, que devem constituir o modelo normalizado nos CSP”. Em acréscimo, o dirigente associativo sublinhou que é fundamental “criar condições para que os colegas que terminam o internato sejam agregados de uma forma clara a USF, entrando assim no «comboio da frente»”.

Leia Também

GesPal organiza cursos sobre controlo sintomático em cuidados paliativos

Fórum Médico reuniu parceiros do setor para debater dimensão das listas dos MF

Médicos de família devem estar vigilantes

Recentes

Menu