Política de saúde
0

Esmagadora maioria de MF acredita que diagnóstico de espondilite anquilosante é tardio

Projeto arEA demonstra:

De acordo com os resultados iniciais do projeto arEA, 90% dos médicos de família consideram que o diagnóstico da espondilite anquilosante (EA) é feito com atraso, com 56,8% da amostra inquirida a estimar que esse atraso é superior a quatro anos. De realçar que 71,1% dos especialistas em MGF questionados no âmbito deste estudo confessou não conhecer as normas de orientação clínica da Direção-Geral da Saúde sobre a EA e 83,5% disse não ter o contacto oficial do médico hospitalar para poder discutir casos antes de eventualmente referenciar para Reumatologia.

Importantes dados foram também obtidos dos questionários preenchidos por doentes com EA. Assim, chegou- se à conclusão de que estes doentes tiveram, em média, de recorrer a baixa médica durante 25 dias, nos últimos 12 meses, com um impacto económico estimado de 57 milhões de euros. O impacto económico total da doença (incluindo dias de dispensa, baixa temporária, baixa permanente, perdidos por via da produtividade, de desemprego e dias de ausência laboral para familiares) foi calculado em 437 milhões de euros anuais. De referir que 56,7% dos doentes consideraram que a doença provoca razoável ou bastante limitação nas suas atividades quotidianas e 40,7% afirma que pratica muito menos desporto, por comparação com o período de vida anterior ao momento do diagnóstico.

O projeto arEA é um estudo desenvolvido pela NOVA Information Management School (NOVA IMS) que tem como objetivo essencial estudar a perceção dos doentes face à doença e avaliar a qualidade de vida dos doentes e perceção dos profissionais de saúde no contexto português, bem como conhecer o impacto da doença nos diferentes componentes da qualidade de vida dos doentes, a perceção da doença nos profissionais de saúde e as razões para um diagnóstico tardio e o impacto económico da doença.

O estudo foi concretizado através de inquéritos recolhidos durante o ano de 2018 através de ferramenta online, junto de doentes e de médicos especialistas em Medicina Geral e Familiar, contando com a colaboração da Associação Nacional de Espondilite Anquilosante e da Liga Portuguesa contra as Doenças Reumáticas para divulgação do respetivo questionário junto dos pacientes e com a colaboração da APMGF e da USF-AN para divulgação junto dos profissionais de saúde.

O projeto arEA vai ser apresentado publicamente durante a
conferência
«Doença crónica – saúde, trabalho e sociedade. Políticas
publicas: que medidas a implementar?»
, a realizar no dia 19 de fevereiro no auditório da Reitoria da Universidade Nova de Lisboa.

Leia Também

Instituições chave com novas lideranças

Fixação de MF no Interior não se resolve apenas com incentivos

Mário Moura galardoado com Prémio Prof. Miller Guerra

Recentes

Menu