GeraisInternacional & Cooperação
0

Centros de saúde de LVT vão ter consultas de Oftalmologia a partir de setembro

Protocolo entre ARSLVT e IOGP melhora integração de cuidados

A Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo
(ARSLVT) e o Instituto de Oftalmologia Dr. Gama Pinto (IOGP)
assinaram um protocolo de cooperação que abre as portas à
realização de consultas de Oftalmologia nos centros de saúde da
ARSLVT que têm utentes referenciados para o IOGP. O protocolo terá
uma concretização experimental, numa primeira fase, no Agrupamento
de Centros de Saúde (ACES) de Sintra, com as primeiras consultas a
realizarem-se já neste mês de setembro, nas instalações
recentemente inauguradas para acolher a Unidade de Saúde de Agualva.
O protocolo em questão foi assinado no passado dia 30 de agosto, na
sede da ARSLVT, pelo presidente da ARSLVT Luís Pisco e por Erica
Cardoso, presidente do IOGP.

O IOGP
providenciará, no âmbito deste acordo, a deslocação de
oftalmologistas e técnicos de ortóptica aos centros de saúde,
evitando que os utentes se desloquem às instalações do IOGP.

Por seu turno, a
ARSLVT garantirá o apoio de enfermeiros e administrativos, assim
como os espaços físicos e os equipamentos necessários às
consultas. Ações de formação aos médicos e enfermeiros dos ACES
de Lisboa e Vale do Tejo e a promoção da literacia em saúde e
autocuidados dirigida aos utentes também estão contemplados no
protocolo.

“Este protocolo
terá impacto sobretudo em locais que têm muitas referenciações
para o IOGP e onde existem maiores listas de espera, como acontece
neste momento no ACES de Sintra. O facto de neste ACES se ter
inaugurado há pouco tempo um novo centro de saúde em Agualva, um
espaço excelente e muito apropriado para realização destas
consultas de Oftalmologia, conciliou-se na perfeição com os
objetivos desta iniciativa”, explica Luís Pisco.

O presidente da
ARSLVT garante, em acréscimo, que a instituição por si liderada
vai continuar a apostar em projetos que permitam uma maior
proximidade entre especialidades clínicas e acesso mais fácil a
cuidados de saúde diferenciados por parte das populações: “outro
exemplo atual regista-se na região do Médio Tejo e na área da
Saúde Materno-Infantil, com o Centro Hospitalar do Médio Tejo a
desenvolver consultas em Fátima. Sempre que existir oportunidade,
vamos percorrer este caminho, centrado na integração de cuidados e
na vontade de descentralizar consultas para os CSP”.

Para o presidente da
Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF), Rui
Nogueira, esta “é uma medida de grande alcance e com um particular
significado num centro de saúde onde a falta de médicos de família
se faz sentir há muito tempo. Apesar da falta de médicos de família
e de muitos utentes sem médico, regista-se que há soluções para
outros problemas”.




Leia Também

Debate Dia Mundial MF 2022

Condições de trabalho, remuneração e contratação de MF têm de ser revistas

Presidente da APMGF analaisa contexto da MGF em Portugal

Presidente da APMGF analisa contexto atual da MGF no nosso país

Webinar Contratualização Diferido

Aceda ao webinar sobre a contratualização em diferido

Recentes

Menu