Política de saúde
0

Tudo em debate… até a liderança

Na conferência «SNS: O futuro começa hoje!»

“Precisamos de lideranças que façam
aquilo de que necessitamos”. Esta
foi das frases marcantes proferidas na
conferência “SNS: O futuro começa hoje!“, organizada pela
Fundação para a Saúde – Serviço Nacional de Saúde (FSNS) na
Fundação Calouste Gulbenkian e
no âmbito da comemoração dos 40 anos do Serviço Nacional de Saúde
(SNS), com autoria do professor
jubilado da Escola Nacional de Saúde Pública, membro do conselho de
administração da FSNS e conhecido pensador do setor da saúde,
Constantino Sakellarides. Mas é crucial ir além da discussão das
lideranças, nesta reflexão alargada sobre o SNS e as suas
perspetivas de crescimento futuro, como recordou o médico de família
José Luís Biscaia: “com certeza que todos quantos estiveram nesta
conferência já debateram muito nas
últimas semanas quem vai ser o novo ministro da Saúde ou os
secretários de Estado, mas era importante saber quantos de vós
(pessoas ativas e com papéis relevantes na área da Saúde)
já discutiram qual deveria ser o modelo de governação e gestão de
conhecimento que ajudaria a levar este processo para a frente”.

Como
gastar bem o dinheiro… enigma crónico do SNS

Relativamente
ao tão falado sub-financiamento do sistema, que muitos consideram a
praga duradoura do SNS, o presidente da FSNS José Aranda da Silva
advogou que deve ser revertido, todavia com um alerta especial: “o
financiamento adequado ao bem-estar da população só será, no
entanto, útil e eficaz se promovermos mudanças de paradigma
ajustadas aos desafios do século XXI. O SNS tem de garantir uma
resposta integrada e intersetorial às necessidades do cidadão e
temos de ser capazes de gerir o conhecimento para a mudança, através
de um adequado sistema de informação e de uma participação mais
ativa do próprio cidadão”.

Pelo
mesmo diapasão alinhou o secretário de Estado Adjunto e da Saúde,
Francisco Ramos, que reclama um uso mais otimizado dos recursos
financeiros: “é claro que é preciso mais dinheiro para o SNS (…)
o nível de financiamento de outros tempos ainda não foi
completamente recuperado e temos de perceber que nos últimos oito
anos se registou um crescimento da procura e das necessidades, que
ainda não está financiado. Mas a isto temos de aliar a tendência
para afrouxar os níveis de rigor na
avaliação prévia de introdução de novas tecnologias e
medicamentos, o desperdício que significa estarmos a gastar
muitíssimos recursos em tecnologias que não avaliamos o suficiente,
que nos são «enfiadas pela goela abaixo», seja pelos seus
promotores, seja pelos fazedores de opinião ou por quem ganha a vida
a fazer publicidade às mesmas”.

O
governante alertou também para o erro recorrente do mau planeamento
dos recursos humanos: “somos tradicionalmente péssimos a planear
recursos humanos na Saúde. Como se o passado recente não existisse,
chegamos e ficamos admirados
com uma classe médica ou muito nova ou muito envelhecida e reduzida,
olhamos para os números, que parecem equilibrados e suficientes, mas
logo nos confrontamos numa base diária com a escassez de elementos
médicos, de enfermagem ou de outros profissionais. E depois surgem
as queixas de que o ministro Mário
Centeno não emite as necessárias autorizações.
Parece-me
curto para explicar um problema que é fundamentalmente da
responsabilidade de quem trabalha, dirige e estuda os problemas da
Saúde há décadas. Há que conseguir ultrapassar isto e dinamizar o
que já fomos capazes de fazer. E aqui recordo-me
da reforma dos cuidados de saúde primários, que deu um exemplo
ímpar de como o SNS se pode organizar, mudar, ir ao encontro das
preocupações dos profissionais e resolver os problemas das pessoas.
Com a inação, corremos o risco de desperdiçar todo este
esforço”.


a ex-ministra da saúde, Maria de Belém Roseira, frisou a
imperiosidade de o SNS se manter vinculado a mecanismos que premeiam
o valor
dos seus profissionais, ainda que tenha dúvidas que as atuais
circunstâncias financeiras e administrativas suportem tal caminho:
“não sei se na contratualização estamos em condições de
aprovar os incentivos que fazem acontecer a mudança, premiando e
reconhecendo o mérito de quem não tem medo de enfrentar os riscos”.
Por outro lado, Maria de Belém Roseira considerou que o mais
importante esclarecimento saído desta conferência foi a noção de
que é imperioso “construir um futuro assente na utilização do
conhecimento que temos, no sentido de transformar para melhor.
Recordando o que nos disse Beck, a modernização tem de ser
reflexiva e deve sê-lo com base no conhecimento”.

A
conferência promovida pela FSNS
dividiu-se por várias sessões temáticas, que trataram matérias
tão relevantes quanto o património e as políticas de bem-estar
associados ao SNS, as estratégias locais e adaptadas à realidade de
cada comunidade que devem ser postas em prática para consubstanciar
os valores essenciais do SNS ou a gestão do conhecimento para a
mudança.




Leia Também

Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças elogia intervenção precoce em Portugal

Cada ACeS deverá ter uma consulta multidisciplinar de atividade física

Fórum Médico de Saúde Pública sublinha fragilidades do SNS ao Presidente da República

Recentes

Menu