Cuidados de Saúde PrimáriosFormação
0

Internato com nova coordenadora mas continuidade de rumo e ideias – LVT

A Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) recebeu 169 novos internos do primeiro ano do internato de Medicina Geral e Familiar (MGF), numa sessão de acolhimento realizada na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa.

Luís Pisco, presidente do Conselho Diretivo da ARSLVT, desejou a maior sorte aos jovens médicos que agora iniciaram o percurso da especialidade e expressou vontade de contar com os mesmos durante muitas décadas na região de saúde onde existem mais portugueses sem médico de família atribuído: “esperamos que depois de uma formação que é muito boa, comparando quer a nível nacional, quer internacional, todos vós sejam magníficos médicos de família, possam ficar na região e integrar equipas com quem gostam de trabalhar, em centros de saúde com boas condições”.

Este arranque de 2020 marcou também a entrada em funções da nova coordenadora do Internato de MGF em LVT, Cecília Shinn, que nos últimos anos já estava ligada à estrutura da coordenação, enquanto assessora. A atual coordenadora assegura que será feita um reforço das estratégias de desenvolvimento do internato já adotadas pelos anteriores coordenadores, Isabel Santos e Daniel Pinto: “esta é uma linha de continuidade. Em 2014, iniciei funções enquanto diretora de internato com a Prof.ª Isabel Santos e depois permaneci como diretora e assessora com a Prof.ª Isabel e o Dr. Daniel Pinto, ao longo de seis anos de acompanhamento deste processo. As mudanças foram muitas durante este período e os últimos três anos, em particular, foram de intensa reorganização do internato de MGF. O meu objetivo é o de continuar essa reorganização, com foco especial em dois domínios. Por um lado, na disponibilidade crescente das plataformas virtuais e, por outro, na formação dos orientadores e na sua capacitação para melhor formar os futuros médicos de família”.

Em 2020 intensifica-se também a tendência de maior abrangência territorial do Internato de MGF na Região de LVT, como elucida a coordenadora: “antigamente, os internos estavam concentrados sobretudo em poucas unidades de saúde da região metropolitana de Lisboa, mas agora começamos a ter orientadores em outros locais, dispersos no território da ARSLVT”.

Se, num passado não muito longínquo, a região de saúde enfrentava dificuldades sérias para identificar colegas que desejassem receber internos em formação, face ao incremento de médicos em período de formação pós-graduada e ao número crescente de aposentados na MGF, o contexto alterou-se de forma significativa em tempos mais recentes. A coordenadora recorda que de alguns anos a esta parte “existem mais pessoas disponíveis e a candidatarem-se para serem orientadores de formação do que vagas que podem ser oferecidas pela Coordenação, por limitações inerentes aos espaços das unidades de saúde” e que a Coordenação está a trabalhar em parceria com ARSLVT no sentido de “encontrar soluções para dar resposta a esta oferta de orientadores” e “aumentar a capacidade formativa nos próximos anos”.

Entretanto, nos últimos meses a ARSLVT tem feito um esforço redobrado para dotar a estrutura do internato de MGF de recursos humanos que lhe permitam enfrentar o dia-a-dia, em particular ao nível do secretariado. “Tal como na clínica, o secretariado continua a ser o grande Calcanhar de Aquiles na Coordenação, porque simplesmente não temos pessoas suficientes a trabalhar nessa área. Porém, estamos a trabalhar em soluções para contornar o problema”, testemunha Cecília Shinn.

Leia Também

Debate Dia Mundial MF 2022

Condições de trabalho, remuneração e contratação de MF têm de ser revistas

Presidente da APMGF analaisa contexto da MGF em Portugal

Presidente da APMGF analisa contexto atual da MGF no nosso país

Webinar Contratualização Diferido

Aceda ao webinar sobre a contratualização em diferido

Recentes

Menu