Ana Sofia Baptista conclui doutoramento com tese sobre impacto de auxiliares de decisão no rastreio do cancro da próstata

Ana Sofia Baptista, médica que terminou o seu internato de Medicina Geral e Familiar em março deste ano na USF Serpa Pinto (ACeS Porto Ocidental), assistente convidada no Departamento de Medicina da Comunidade, Informação e Decisão em Saúde da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) e investigadora no CINTESIS, concluiu hoje (5 de maio) as suas provas de doutoramento na FMUP, com a tese «Shared decision-making in prostate cancer screening».

O trabalho em causa teve como objetivo central estudar e comparar o impacto de diferentes formatos de auxiliares de decisão e ainda de auxiliares de decisão contendo diferentes métodos de clarificação de valores no processo de decisão de rastreio do cancro da próstata. No contexto deste trabalho pretendeu-se ainda traduzir e proceder à adaptação cultural para os homens portugueses de um auxiliar de decisão em inglês, desenvolvido e testado por um grupo de investigadores americanos. No âmbito do trabalho foi adotada uma abordagem multi-método, que incluiu uma revisão sistemática e meta-análise, um estudo qualitativo e o protocolo para um ensaio aleatorizado, desenvolvidos entre 2014 e 2019.

Os nossos resultados reforçam o importante papel dos auxiliares de decisão nas decisões sensíveis em saúde, o que deve ser tido em conta por utentes, médicos e decisores políticos. O seu formato poderá ser adaptado às características do grupo a que se destina. Na sequência do nosso trabalho, os homens portugueses terão acesso ao primeiro auxiliar de decisão em português sobre rastreio do cancro da próstata. Pretendemos, no futuro, dar continuidade ao ensaio aleatorizado que desenhámos”, explica Sofia Baptista.

A tese foi defendida em moldes invulgares – face ao atual cenário pandémico – com o júri, os arguentes e a candidata a interagirem por videoconferência. Para estas provas, o júri foi constituído por Maria Leonor Martins Soares David (FMUP), que também presidiu ao coletivo, Jaime Correia de Sousa (Escola de Medicina da Universidade do Minho), José Manuel Mendes Nunes (NOVA Medical School), Carlos Manuel da Silva Martins (FMUP), orientador da tese, João de Almeida Lopes da Fonseca (FMUP), Luísa Maria Barbosa Sá (FMUP) e Cristina da Costa Santos (FMUP). O co-orientador da tese de doutoramento foi Bruno Heleno (NOVA Medical School).

De acordo com a nova doutorada, a temática escolhida para o trabalho que defendeu faz todo o sentido numa era da Medicina em que a decisão clínica é verdadeiramente partilhada e influenciada por múltiplos e complexos fatores: “em muitas decisões em saúde existe mais do que uma opção aceitável. É este o terreno da decisão partilhada entre médico e utente. Particularmente a Medicina Geral e Familiar tem como uma das competências nucleares justamente lidar com a incerteza. Na linha de investigação que desenvolvemos, tentámos compreender melhor como os auxiliares de decisão podem apoiar este processo de decisão partilhada e ser uma ferramenta de empowerment do utente. No final, para além das publicações com os resultados dos estudos que conduzimos, é com muito ânimo que apresentamos o primeiro auxiliar de decisão em português para a decisão de rastreio do cancro da próstata, nas versões impressa e web”. Numa perspetiva mais pessoal, Sofia Baptista frisa que este doutoramento acabou por representar para si um passo natural: “o ingresso no programa doutoral foi a forma que encontrei de perseguir e aliar duas paixões; a investigação e a clínica. O meu desejo é perseverar na dedicação às duas, colocando sempre o utente no centro”.

Leia Também

Demência apresenta múltiplas faces que é preciso conhecer

“A investigação não pode ser considerada supérflua”

A evolução do COVID-19 em Portugal – Informação atualizada com a chancela da ANMSP

Recentes

Menu