Política de saúdeSNS
0

OM e Conselho de Escolas Médicas Portuguesas pedem alteração urgente da lei que permite uso alternativo de máscaras ou viseiras

Em nota de imprensa, a Ordem dos Médicos (OM) e o Conselho de Escolas Médicas Portuguesas (CEMP) solicitam “ao Governo que altere com urgência a legislação” que recomenda o uso de máscaras comunitárias na fase atual de emergência de saúde pública, ou, em alternativa direta, viseiras, alertando para os riscos que tal proposta acarreta.

As duas entidades esclarecem que o Decreto-Lei n.º 20/2020, no seu artigo 13.º, estipula que “é obrigatório o uso de máscaras ou viseiras para o acesso ou permanência nos espaços e estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços, nos serviços e edifícios de atendimento ao público e nos estabelecimentos de ensino e creches”, adotando a mesma formulação para a utilização de transportes coletivos de passageiros. Ora, a OM e o CEMP reconhecem que “a evidência científica de que atualmente dispomos sobre o uso de máscaras (comunitárias, cirúrgicas ou hospitalares) é suficientemente robusta”, mas adiantam que “não existem estudos sólidos sobre o impacto da utilização da viseira, como alternativa à máscara, na redução do risco de contágio pelo novo coronavírus em termos de infeção através das vias aéreas. A viseira é um bom elemento de proteção a nível ocular, confere alguma proteção das vias áreas a quem a usa, mas não confere proteção às outras pessoas”. Assim, para as duas organizações torna-se óbvio que “a utilização de viseira não deve dispensar o uso em simultâneo de outros equipamentos de proteção individual adequados, como a máscara”.

Leia Também

Marta Temido quer intervenção regular das equipas de saúde familiar em estruturas residenciais para idosos

Medicação na gravidez em destaque no 37º Encontro Nacional!

Correia de Campos dá crédito à Associação pela reforma dos CSP

Recentes

Menu