Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças elogia intervenção precoce em Portugal

O especialista principal do Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) para resposta e operações de emergência, Sergio Brusin, garantiu em entrevista à Agência Lusa que o baixo número de doentes com COVID-19 em Portugal comparativamente a outros países resulta da “intervenção precoce” das autoridades e da reduzida importação de casos do estrangeiro.

Uma das justificações é “a implementação atempada de medidas, que é algo que pode diminuir bastante a propagação”, destaca o perito, um dos mais experientes daquele organismo da União Europeia. Outra causa para o sucesso português pode passar, ainda segundo o mesmo interlocutor, pelo facto de “ter havido menos introdução [de casos do] exterior, como aconteceu na Grécia, por exemplo”.

Questionado pela Lusa se o Velho Continente, na sua globalidade, demorou a agir, Sergio Brusin garantiu que “a resposta dada foi sempre razoável e proporcional ao conhecimento disponível”, visto que “havia muito pouca informação de início”.

Leia Também

Importância do estatuto do cuidador foi de novo reforçada na Assembleia da República

Jorge Brandão comenta na TVI resposta nacional ao COVID-19 e sucesso na vacinação contra a gripe sazonal

Ordens profissionais alertam primeiro-ministro para consequências da falta de proteção individual

Recentes

Menu