SNS
0

Cuidados intensivos teriam recebido três vezes mais doentes sem o confinamento

O número de doentes internados nos cuidados intensivos com COVID-19 seria três vezes superior, na primeira quinzena de abril, caso não se tivesse concretizado o confinamento imposto pelas autoridades a 19 de março, garantem investigadores da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), numa análise associada ao Barómetro COVID-19.

Segundo as projeções destes especialistas, sem o período de confinamento, as unidades de cuidados intensivos dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) seriam forçadas a cuidar, entre os dias 1 e 15 de abril, de 748 doentes graves, um valor muito superior aos 229 que efetivamente beneficiaram deste tipo de cuidados durante a referida quinzena. Caso tal tivesse acontecido “as 528 camas de cuidados intensivos de que o SNS dispunha na altura poderiam não ter sido suficientes para atender a todas as necessidades, como aconteceu em Itália e em Espanha”.

Os especialistas referem que “Portugal atuou cedo ao decretar o lockdown quando ainda só tinha registado 62 casos e nenhum óbito”, e que “os portugueses aderiram de forma efetiva às medidas de confinamento decretadas pelas autoridades, reduzindo a sua mobilidade em cerca de 80%”.

Leia Também

Unidades de cuidados primários do SNS realizaram mais de 31 milhões de consultas

Ministra anuncia que cuidados paliativos vão ser alvo de «radiografia» pormenorizada

Leal da Costa garante que SNS não está em risco

Recentes

Menu