Política de saúdeSNS
0

Ministra reforça importância do SNS recuperar atividade assistencial

A ministra da Saúde garantiu esta quarta-feira (1 de julho) na Comissão Parlamentar de Saúde, que os hospitais fizeram menos 902 mil consultas e menos 85 mil cirurgias até maio, por comparação com período homólogo de 2019, referindo ainda que dessas 902 mil consultas, 371 mil eram primeiras consultas. A governante sublinhou, na Assembleia da República, a importância e a necessidade de recuperar agora a atividade assistencial suspensa pela pandemia de COVID-19: “no nosso país conseguimos ter já alguma normalidade – dentro da nova normalidade que envolve a sociedade e os prestadores de cuidados de saúde – no Norte, Centro, Alentejo e Algarve. Na área de Lisboa e Vale do Tejo (LVT) temos as contingências que conhecem e a razões de precaução que conhecem e que muito gostaríamos de ultrapassar. Mas temos também a perceção que, neste momento, a primeira resposta na região deve estar direcionada para a pandemia e que deve existir segurança relativamente a alguma reserva de capacidade assistencial, para um eventual crescimento da necessidade de utilização de cuidados hospitalares”.

Sobre os cuidados de saúde primários em específico (e no período de resposta a questões dos deputados) Marta Temido recordou que a quebra de consultas presenciais nos centros de saúde nos últimos meses não foi acompanhada e compensada por atos não presenciais em igual proporção, uma situação que será analisada em detalhe pelo Ministério da Saúde.

Filipe Froes defende que desconfinamento foi um fracasso

Ontem, durante a apresentação do manifesto “Salvar o SNS — estamos do lado da solução”, assinado por duas dezenas de personalidades (quase todas da área da saúde) e que apresenta propostas para «salvar» o SNS, o pneumologista e consultor da Direção-Geral da Saúde Filipe Froes afirmou que faltou uma estratégia no desconfinamento em Portugal, razão que justifica encontrarmo-nos no delicado contexto atual: “falhámos, desconfinámos com novos casos a rondar os 200 e não valorizámos os assintomáticos”(…) ao contrário da mitigação, no desconfinamento não houve uma estratégia clara. Não tivemos a capacidade de transformar dados epidemiológicos em conhecimento de saúde pública. Temos de mudar, ir à procura do vírus e não do doente”.

Na sessão de apresentação do manifesto, Marta Temido sublinhou que, pese embora os constrangimentos ao nível dos sistemas de informação e da burocracia, “não vamos conseguir nem responder melhor aos utentes nem pagar melhor aos profissionais de saúde enquanto não conseguirmos ser mais eficientes na forma como nos organizamos”. A governante assegurou também que a pandemia mostrou que recursos como as consultas presenciais podem, muitas vezes, ser substituídos por consultas à distância e que as instituições de saúde não podem ignorar os problemas do sector da habitação e dos transportes.

Leia Também

Aumento de vagas para integração de recém-especialistas em MGF pode valer de pouco sem condições de trabalho dignas

OM e Conselho de Escolas Médicas Portuguesas pedem alteração urgente da lei que permite uso alternativo de máscaras ou viseiras

Figuras ilustres elogiam proposta legislativa mas alertam para risco de degradação do SNS

Recentes

Menu