Tutela garante que vai reforçar telessaúde para contornar limitações no acesso a centros de saúde

Na sequência de uma reportagem do Jornal «Público», que apontava para a dificuldade crescente sentida pelos utentes para entrar em contacto com muitas unidades funcionais de cuidados de saúde primários (CSP), limitando assim o seu acesso a consultas médicas (presenciais e não presenciais) e a outros cuidados fundamentais, a Ministra da Saúde reconheceu hoje (31 de julho), que nesta fase o volume da procura de cuidados não-COVID – colocados em suspenso nos últimos meses – esbarrou com incapacidades de muitas infraestruturas do SNS. “Temos de melhorar as formas pelas quais os utentes têm de aceder aos atos clínicos e, por isso, temos em curso um projeto de reforço do SNS em termos de telessaúde. Trata-se de uma linha que temos vindo a desenvolver. O atendimento na Linha SNS24 mostra aquilo que é a possibilidade que tivemos de responder com novos meios de proximidade e comodidade às necessidades dos nossos utentes”, referiu Marta Temido. A governante admitiu, contudo, que a experiência individual de cada utente do SNS pode não ser a melhor, no que respeita ao uso destes meios à distância, no presente, frisando ainda que parte dos fundos europeus que serão disponibilizados em breve para o setor da saúde poderão ser canalizados para investimentos nesta área.

Leia Também

Ministro da Saúde quer epicentro do financiamento do SNS nos CSP

MF querem mais formação contínua sobre espondilite anquilosante e melhores vias de referenciação

Esperança e Espiritualidade em Cuidados Paliativos – 2ªs Jornadas do GEsPal

Recentes

Menu