Crispação entre António Costa e médicos encontra um fim… aparente

O Primeiro-ministro e os representantes dos médicos portugueses parecem ter enterrado por ora os machados de guerra, depois de dias de elevada tensão provocados por comentários menos abonatórios de António Costa sobre a atuação dos profissionais de saúde que prestaram assistência aos utentes do Lar da Fundação Maria Inácia Vogado Perdigão Silva (FMIVPS), em Reguengos de Monsaraz, infetados pelo SARS-CoV-2. Isto após uma reunião amena, de mais de duas horas, realizada em São Bento, com a presença de dirigentes do governo com responsabilidades nesta área (incluindo a ministra da Saúde) e vários representantes da Ordem dos Médicos (OM), entre os quais o seu bastonário, Miguel Guimarães.

“Queria agradecer ao Senhor Bastonário e aos dirigentes da OM a oportunidade e a franqueza desta conversa, espero que todos os mal-entendidos estejam esclarecidos e julgo que testemunhou aqui, de forma inequívoca, o meu apreço e consideração pelos médicos portugueses e pelo trabalho que desenvolvem”, afirmou António Costa após a reunião.

Já Miguel Guimarães garantiu que “o Senhor Primeiro-ministro transmitiu, de forma clara, o respeito e a confiança que tem pelos médicos portugueses, aquilo que espera dos médicos nesta época e sempre, mas com uma palavra também aos dirigentes da OM sobre a valorização do trabalho destes profissionais e de todos os profissionais de saúde”.

De recordar que ontem (dia 24 de agosto), o Fórum Médico (organização que congrega todas as estruturas nacionais representativas dos médicos e na qual se integra a APMGF) reuniu de emergência, produzindo no final uma nota de imprensa (leia aqui) em que era dada uma “uma palavra especial de solidariedade e agradecimento aos médicos de família e de saúde pública do Alentejo que prestaram cuidados médicos aos utentes do Lar da Fundação Maria Inácia Vogado Perdigão Silva, que mesmo em circunstâncias extraordinariamente difíceis e sem abdicar de denunciar que os meios colocados à sua disposição no lar e no pavilhão não permitiam cuidar dos utentes com qualidade e dignidade, demonstraram um profissionalismo médico exemplar”.

A mesma nota repudiava “todas as tentativas de denegrir a imagem dos médicos, ainda mais quando as afirmações faltam à verdade sobre os acontecimentos” e recusava “alimentar confrontos que não servem os doentes, desviam as atenções dos problemas e atrasam os investimentos e reformas de que o Serviço Nacional de Saúde efetivamente precisa com urgência”.

Leia Também

Ana Sofia Baptista conclui doutoramento com tese sobre impacto de auxiliares de decisão no rastreio do cancro da próstata

Vacinómetro mostra que mais de metade das grávidas ainda não estão vacinadas contra o vírus influenza

Comunicado – Médicos de família lamentam desrespeito notório do Primeiro-ministro pelos médicos

Recentes

Menu