Demência apresenta múltiplas faces que é preciso conhecer

A sessão «As múltiplas faces da Demência», organizada no 37º Encontro Nacional pelo Grupo de Estudos de Saúde Mental (GESME) da APMGF, provou que a MGF pode e deve intervir na prevenção e tratamento da demência, com o apoio de especialidades como a Psiquiatria e a Neurologia.

Nuno Florêncio, coordenador do GESME, recordou que o doente com demência “ denega massivamente sintomas e realidade e é habitualmente trazido à consulta por familiares ou amigos. É, portanto, fundamental criar uma aliança terapêutica com o doente e a família”, até porque “a relação médico-doente é em si mesma terapêutica”. Em suma, de acordo com este MF, “as atitudes do médico face ao doente, a doença e a família são determinantes”.

Para o psiquiatra Frederico Couto (Hospital de Santa Maria), é antes de mais essencial concentrar baterias nos comportamentos clínicos que permitem obter reais ganhos preventivos na demência, deixando de lá estratégias que comprovadamente representam uma perda de tempo: “não existem evidências clínicas que a introdução de qualquer suplementação alimentar possa fazer diminuir os riscos para demência”. Já sobre os critérios de referenciação para Psiquiatria, Frederico Couto frisou que esta deve acontecer quando é feito “um diagnóstico diferencial entre depressão e demência e quando a demência em causa possa beneficiar de tratamento farmacológico específico”.

Já no que respeita à referenciação para Neurologia, a neurologista Juliana Castelo (Hospital Beatriz Ângelo), sublinhou que tal deve concretizar-se se existirem queixas cognitivas em relação a estado prévio, se forem persistentes, com agravamento progressivo em meses e corroboradas por acompanhante, ou se surgirem em indivíduos deprimidos e se mantenham, apesar de existir tratamento instituído. Também poderá ser a via adequada se o doente apresentar queixas subjetivas de perda de memória com agravamento progressivo e impacto no dia-a dia. A neurologista acredita, porém, que o sucesso nestes doentes depende acima de tudo de um trabalho conjunto de muitos profissionais de saúde: “os doentes com demência e os seus familiares beneficiam muito do trabalho em equipa multidisciplinar”.

Mariana Anete Mira, MF e coordenadora de equipa comunitária de suporte em cuidados paliativos, adianta que “é muito importante começar por explicar aos familiares e cuidadores a progressão irregular da doença, melhorar a comunicação, explicar estratégias úteis ao cuidador e abordar questões sensíveis como as mudanças na alimentação e a perda progressiva de capacidades”. A mesma médica acredita também que é indispensável, para a evolução favorável do doente com demência, pensar no cuidador, “prevenir o seu burnout, preservá-lo e elogiá-lo”. Por outro lado, esta médica com pós-graduações em cuidados paliativos e geriatria alerta para um facto relevante na gestão terapêutica de doentes em fases mais avançadas de demência: “não podemos ter receios de desprescrever, porque em alguns doentes a desprescrição pode mesmo melhorar a sua qualidade de vida”.

Leia Também

Formação específica em exercício de MGF deve arrancar em junho

Em defesa da caminhada como arma terapêutica

Presidente da APMGF critica atraso sistemático no concurso de colocação de recém-especialistas

Recentes

Menu