«Cidades Compassivas» atraem sociedade civil para a missão dos cuidados paliativos

As 2ªs Jornadas do GEsPal têm agendadas para o dia 6 de outubro a mesa «Cidades Compassivas», moderada por Catarina Pazes (enfermeira na Equipa Comunitária de Suporte em Cuidados Paliativos Beja+) e com comunicações de Elsa Mourão (médica de cuidados paliativos na comunidade e coordenadora do Projeto Amadora Compassiva), Mariana Abranches Pinto (presidente da Compassio – Associação para a Construção de Comunidades Compassivas) e Silvia Corrales Villar (médica na USF Quinta da Prata de Borba e presidente da Associação Borba Contigo Cidade Compassiva).

Esta mesa procurará dar a conhecer o movimento “Comunidades Compassivas”, o qual se baseia no conceito de consciencializar a sociedade sobre a necessidade da implicação dos cidadãos nos cuidados e acompanhamento das pessoas com doenças crónicas incapacitantes ou mesmo em fim de vida, necessidade que se tornou ainda mais óbvia na situação atual do país e do mundo. Construir comunidades compassivas é “pôr ação na empatia”. O projeto Portugal Compassivo está a começar e, por isso, não tendo ainda muito para contar o objetivo desta sessão – que pretende ser um momento de partilha do sonho e da experiência – é desinquietar mais pessoas e organizações para a construção de mais comunidades compassivas. Os projetos das três Cidades Compassivas que se darão a conhecer nesta sessão são descritos, de forma sumariada, nos vídeos que pode visualizar em baixo. Contamos consigo no dia 6 de outubro!

Leia Também

Internos de MGF dos Açores envolvem-se na prevenção do suicídio

Comunidades compassivas podem ser solução para cuidados paliativos mais próximos e abrangentes

Projecto COVID19PT Ciência traz-lhe a melhor informação

Recentes

Menu