Pandemia agravou problema da resistência aos antimicrobianos

Durante a sessão «Infeções respiratórias, resistências e antibióticos: o bom, o mau e o vilão», integrada no programa das 6ªs Jornadas do GRESP, Filipe Froes (pneumologista do Centro Hospitalar Lisboa Norte e coordenador do Gabinete de Crise COVID-19 da Ordem dos Médicos) defendeu que os recentes meses que atravessámos sob o jugo da COVID-19 intensificaram o problema já reconhecido das resistências aos antimicrobianos, face ao desconhecimento que existia relativamente à doença: “a pandemia originada pelo SARS-CoV-2 desencadeou o aumento da prescrição de antibióticos. Agravámos as resistências aos antimicrobianos no decurso da pandemia, porque como não sabíamos o que fazer e tínhamos medo de falhar, na dúvida prescrevemos antibióticos. Tomemos, por exemplo, a azitromicina, que fazia parte dos esquemas iniciais da abordagem à doença conjuntamente com a hidroxicloroquina. Neste momento, já sabemos que é uma opção sem benefício e eventualmente com perigosidade. Mas a verdade é que em muitos casos deu-se azitromicina e promoveu-se ainda mais as resistências”.

O pneumologista reforçou que as resistências aos antimicrobianos constituem “uma realidade premente, que merece a atenção de todos nós” e acrescentou que os doentes afetados por micro-organismos resistentes a praticamente todos os agentes conhecidos, embora raros, aparecem por vezes nos serviços de saúde e suscitam desafios complexos: “nos últimos três anos, tenho uma média de cinco/seis casos de doentes que são sensíveis a apenas um antibiótico. Recentemente, no meu hospital, tivemos uma doente jovem que sobreviveu graças a um antibiótico que tinha sido licenciado há muito pouco tempo na Europa e que veio de Espanha para a salvar. Este problema das resistências aos antimicrobianos não é um problema sem rosto. Estamos a falar de pessoas que têm nome, que têm face e que podem pertencer à nossa família”.

Filipe Froes sublinhou ainda que a traqueobronquite aguda continua a ser “uma das principais causas de utilização indevida de antibióticos. Isto sabendo-se que na ausência de suspeita de pneumonia, não se justifica a utilização de antibióticos no tratamento desta condição”. Por último, o pneumologista alertou para o facto de que todos os profissionais de saúde e a população em geral deveriam tomar consciência definitiva de que o recurso a antibióticos tem uma dimensão individual, mas também uma dimensão coletiva: “os antibióticos, ao contrário de outros fármacos como os antidiabéticos orais ou os antihipertensores, por exemplo, têm um efeito individual e um coletivo. Reconhecemos que o antibiótico tem grandes benefícios terapêuticos, que devemos salvaguardar, representa um grande avanço civilizacional (…) mas encontramos promoção de resistências no próprio e na comunidade. Este facto distingue o antibiótico de todos os restantes fármacos”.

Eurico Silva, médico de família na USF João Semana e membro da equipa gestora do Programa de Apoio à Prescrição de Antibióticos do ACeS Baixo Vouga, apresentou nesta sessão aquele programa, uma verdadeira experiência de mudança gradual de padrões de prescrição – centrada em monitorização constante – e relembrou: “o bom (o antibiótico) pode deixar de atuar sobre o mau (a infeção) e pode transformar-se em vilão, quando promove as resistências bacterianas. Daí a importância de olharmos para estes caminhos de monitorização e replicá-los em todas as unidades e ficheiros clínicos”.

Já a médica de Saúde Pública e membro da equipa nacional do Programa de Prevenção e Controlo de Infeção e Resistência aos Antimicrobianos, Ana Félix, garantiu que todos os médicos de família devem, em conjunto com a sua equipa de saúde, dar passos seguros no sentido de refletir sobre as suas práticas de prescrição de antibióticos e atuar com celeridade para corrigir eventuais desvios: “é preciso sair um pouco da acomodação do dia-a-dia, evoluindo no conhecimento, na atitude e na prática (…) É também necessário o profissional ter resiliência e expor-se para, com alguma humildade, partilhar com os colegas aquilo que se sabe, no sentido de que a sua experiência (de alguém que prescrevia de uma determinada forma e passou a prescrever de outra) fique à disposição dos pares”.

 

Leia Também

Total de médicos de família cresce de forma significativa no Brasil

Quase 500 novos internos entram na melhor especialidade do mundo!

Trabalho de investigação na área das doenças respiratórias obstrutivas será distinguido

Recentes

Menu