GeraisPolítica de saúdeSNS

Organizações médicas exigem vacinação imediata dos profissionais infetados

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM), o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e a Ordem dos Médicos (OM) expressam em comunicado enviado às redações a sua grande preocupação pelo facto de a norma da Direção-Geral da Saúde que determina as regras da campanha de vacinação contra a COVID-19 não ter sofrido alterações que permitam vacinar os profissionais de saúde que já foram infetados. “A evidência científica existente demonstra que a imunidade de quem já teve COVID-19 não se perpetua no tempo, sendo importante garantir rapidamente a imunização dos grupos mais expostos e de maior risco, mesmo que já infetados previamente com o SARS-CoV-2”, pode ler-se no comunicado conjunto.

As três entidades recordam que “os médicos e os outros profissionais de saúde têm assumido todas as linhas da frente, mesmo perante situações de grande fragilidade, colocando a sua própria vida em risco para salvar outras vidas”. Assim, não aceitam que “existindo vacinas seguras, a Senhora Ministra opte por colocar estes profissionais de saúde em risco, num limbo por período indeterminado. É uma postura que consideramos técnica e eticamente reprovável”.

 

Leia Também

APMGF defende no parlamento que médico assistente jamais pode ser sinónimo de médico de família

Mónica Granja conclui provas de doutoramento com tese centrada no acesso aos médicos de família durante a pandemia

Afinal de contas, a poesia tem poder curativo (?!)…

Recentes