Dor crónica vai ser examinada ao pormenor no 19ºENIJMF em sessão interativa

Não perca a mesa-redonda «Dor crónica: a grande incompreendida», projetada em conjunto pela APMGF e pela Comissão de Internos de MGF do Algarve no âmbito do 19º Encontro Nacional de Internos e Jovens Médicos de Família (ENIJMF). Esta mesa decorrerá a 19 de maio, a partir das 12h30.

A sessão contará com a moderação de Natércia Joaquim (médica interna de MGF na USF Balsa – ACES Algarve III – Sotavento), que será acompanhada na mesa por Joana Atabão (interna de MGF na USF Ria Formosa – ACES Algarve I – Central), Raul Marques Pereira (MF na USF Lethes – ACES Alto Minho e coordenador do Grupo de Estudos da Dor da APMGF) e Rui Miranda (MF na USF Balsa). Será, sobretudo, uma sessão muito interativa, com apresentação de casos clínicos e recurso a televoto, com vista a debater questões importantes na abordagem da dor crónica em consulta de MGF, em particular matérias como a afetação da qualidade de vida do doente, a avaliação do indivíduo com dor crónica e a exposição das melhores terapêuticas farmacológicas e não farmacológicas existentes e que podem mitigar o sofrimento destes doentes.

Pessoalmente, gostaria que fossem abordados os temas relacionados com a avaliação do impacto da dor crónica, em particular na funcionalidade e as barreiras à adequada abordagem e tratamento”, adianta Natércia Joaquim. A médica da USF Balsa e representante da Comissão de Internos de MGF do Algarve garante que a dor crónica é ainda mal compreendida no nosso país por razões históricas e difíceis de ultrapassar: “os dados de que dispomos atualmente apontam para que exista um conjunto de atitudes, crenças e mitos, quer dos utentes, quer dos próprios médicos, que constituem uma barreira importante à adequada abordagem da dor crónica. De facto, na nossa sociedade, com fortes raízes na cultura judaico-cristã, o sofrimento físico é muitas vezes entendido como uma fatalidade e como algo que devemos tolerar estoicamente”.

Assim, para Natércia Joaquim, “o título da sessão inspira-se nesta realidade onde, de facto, a dor crónica, é muito incompreendida. Consideramos que é muito importante discutir estas temáticas de modo a clarificar a dimensão do problema e a fazer entender que a dor pode e deve ser tratada, não sendo o sofrimento uma inevitabilidade. Há que entender que a dor crónica é uma doença, que é crónica e que, tendo grande repercussão na qualidade de vida da pessoa, carece de um plano de tratamento continuado”.

Leia Também

Curso de formação contínua em Pediatria arranca em março

Orientadores de formação passam também a ter a sua hora para diálogo e análise

Informação aos sócios

Recentes

Menu