APMGF exige maior solidariedade dentro do sistema de saúde para efetivar recuperação assistencial

Para o presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) as unidades dos cuidados de saúde primários (CSP) do SNS não podem ser deixadas sozinhas, no esforço de vacinação e de outras atividades relacionadas com a Covid-19, já que tal estratégia resultará na incapacidade de dar resposta cabal a todos os restantes problemas de saúde da população portuguesa. Em declarações à agência Lusa, Nuno Jacinto clarificou que este “é um desígnio nacional, uma tarefa prioritária nacional e, portanto, estar só e apenas entregue aos CSP e aos centros de saúde vai fazer com que se resolva um problema criando outro. Temos a vacinação a correr, mas não temos os centros de saúde a funcionar como todos gostaríamos”.

Ainda de acordo com este dirigente, a solução pode passar pela contratação de profissionais fora dos centros de saúde e “por uma maior articulação com os profissionais nos hospitais ou até de instituições privadas de saúde”. Para o presidente da APMGF, torna-se claro que os profissionais dos CSP muito dificilmente conseguirão recuperar o atraso assistencial se não forem adotadas medidas extraordinárias: “estamos ainda muito longe de conseguir fazer uma retoma total da nossa atividade porque continuamos deslocados para a vacinação e, nos locais onde vai havendo mais casos, quer positivos quer suspeitos, continuam a ser os colegas das unidades a fazerem vigilância através do Trace-Covid e dos contactos telefónicos de todos estes utentes”.

Nuno Jacinto explanou o contexto atual dos CSP em entrevista à RTP, que pode ver em baixo.


 

Leia Também

Cuidados Domiciliários - 20º ENIJMF

Encontro de Internos e Jovens MF debaterá boas práticas de apoio domiciliário nos cuidados primários

Já foram selecionados os vencedores da Bolsa APMGF WONCA Europa 2022

8ªs Jornadas GRESP Porto

Premiados do webinar sobre asma recebem inscrições nas 8ªs Jornadas do GRESP

Recentes

Menu