38º ENMGF – Investigação na MGF fez um longo trajeto mas precisa ainda de ser estimulada

A investigação foi, durante demasiado tempo, o parente pobre dos cuidados de saúde primários (CSP) e da Medicina Geral e Familiar (MGF), com parcos recursos e tempo atribuídos, subvalorizada por quem tem poderes de decisão e, infelizmente, entendida por muitos como uma atividade acessória, se não mesmo dispensável. Durante o 38º Encontro Nacional de MGF realizar-se-á a mesa-redonda «Investigação em MGF», numa tentativa de contrariar estas tendências, demonstrando ao mesmo tempo que é possível fazer boa investigação entre nós, ao nível dos CSP e protagonizada por médicos de família (MF).

A mesa será moderada por Inês Rosendo (MF na USF Coimbra Centro e assistente da cadeira de MGF da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra) e contará com intervenções de Margarida Gil Conde (investigadora que está a fazer um trabalho sobre o panorama científico nos CSP em Portugal e médica na USF Jardins da Encarnação), Raquel Braga (MF na USF Lagoa/ULS Matosinhos e professora auxiliar convidada no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar), que explicará como fazer um doutoramento em MGF no nosso país e analisará os trabalhos dos colegas já doutorados e, finalmente, Bruno Heleno (professor auxiliar da NOVA Medical School), o qual dissecará as linhas de investigação de MGF e os seus responsáveis nas várias escolas médicas nacionais. Espera-se, também, a presença na audiência de representantes das várias escolas médicas. Para Inês Rosendo, além de levarem informação atualizada sobre o atual contexto de investigação nos CSP, os colegas podem estabelecer “contactos depois, durante o congresso, e com isso facilitar as redes na investigação e promover a melhoria da qualidade na investigação em MGF”, com consequente incentivo a doutoramentos e formação avançada na área.

“A necessidade de investir nos CSP e principalmente em práticas centradas no doente é globalmente reconhecida. Essa necessidade passa pelo desenvolvimento de infraestruturas de investigação que promovam a sua aproximação à prática clínica e por derrubar o viés de investimento que existe a favor da investigação em biociência. É importante lançar a discussão sobre as possíveis estratégias para o desenvolvimento de investigação em MGF, em Portugal”, assegura Margarida Gil Conde.

Por seu turno, Raquel Braga recorda que a MGF realizou uma “longa e difícil viagem de afirmação, quer em termos políticos, quer em termos científicos e académicos, em que a qualidade da formação pós-graduada possibilitou e assegurou sucessivas gerações de MF com elevadas qualidades humanas e técnico-científicas que, gradualmente, lutaram pela afirmação da especialidade, a introduziram no ensino pré-graduado e que, paulatinamente, têm aberto espaço no meio académico e na consolidação do corpo de conhecimento da especialidade”. Assim, Raquel Braga frisa que “são cada vez mais numerosos os MF e internos de MGF que, a par da prática clínica, ou em exclusivo, pretendem investigar e obter diferenciações académicas. Nesta sessão, pretende-se sintetizar como desenvolver e aceder e um programa doutoral em Portugal e mostrar o que já foi feito pelos especialistas em MGF, até ao presente”.

Já Bruno Heleno reconhece que “a investigação é um dos pilares de uma especialidade médica” e que o contexto no qual os MF trabalham “é inserido nas comunidades, com acesso mais difícil às últimas tecnologias diagnósticas e terapêuticas, com uma porta sempre aberta e sem possibilidade de dar alta aos doentes. Muitos destes aspetos, que fazem parte do dia-a-dia, só podem ser compreendidos por investigação robusta”. O docente da NOVA Medical School acredita que através da sessão em causa será possível “fazer um ponto de situação sobre a investigação académica de MGF. A oficina será útil para os colegas que desejam saber que projetos estão atualmente a decorrer e quem são as pessoas que participam nestes projetos. Será particularmente útil para colegas que gostariam de participar em trabalhos de investigação – sejam pessoas que querem ter uma primeira experiência de investigação e não sabem por onde começar, sejam pessoas que estão a ponderar fazer um doutoramento e gostariam de perceber quais as linhas de investigação existentes”.

 

Leia Também

Conversas Investigação APMGF

Seja parte da conversa sobre investigação no dia 14 de dezembro!

Participe no debate «Orçamento do Estado e Desafios para a Saúde em 2023» no dia 12 de dezembro!

José Augusto Simões obtém título académico de agregado na UBI

Recentes

Menu