Presidente da APMGF sublinha riscos para os CSP com origem na agilização do processo de vacinas

O presidente da APMGF, Nuno Jacinto, alerta no Diário de Notícias (DN) que a agilização do processo de vacinação contra a Covid-19 desenvolvida pela task force e a passagem das vacinas para os centros de saúde comportam riscos, em particular ao nível dos sistemas de informação e do esgotamento dos recursos humanos nos CSP. De acordo com declarações do dirigente ao DN, as mudanças previstas facilitam “o processo aos utentes”, já que permitem “uma escolha muito maior e, para um profissional, é indiferente que a pessoa resida no Porto ou em Lisboa. O que é importante é que o sistema informático o permita fazer”. Leia a notícia na íntegra na edição on-line do DN.

 

Leia Também

APMGF defende no parlamento que médico assistente jamais pode ser sinónimo de médico de família

Mónica Granja conclui provas de doutoramento com tese centrada no acesso aos médicos de família durante a pandemia

Inscreva-se no Curso de Especialização «Cuidados Paliativos em Cuidados de Saúde Primários»

Recentes