22º Encontro MGF Alto Minho

Auto-cuidados do MF em destaque no Encontro do Alto Minho

O 22º Encontro de Medicina Geral e Familiar (MGF) do Alto Minho, iniciativa promovida nos dias 2 e 3 de junho pela Delegação Distrital de Viana do Castelo da APMGF, em colaboração com o Centro de Saúde de Melgaço e o Núcleo de Internos de Direção de Internato Ricardo Jorge, decorreu na Escola Superior de Desporto e Lazer de Melgaço – Instituto Politécnico de Viana do Castelo – e acolheu 112 inscritos. Sob o lema «Cuidar, do primeiro ao último dia», este encontro mostrou que o desejo de atualização científica permanece bem vivo no Alto Minho e apesar da distância até ao município mais a norte de Portugal muitos não quiseram perder a oportunidade de dar um salto até Melgaço, com vista a partilharem boas práticas em Medicina Geral e Familiar (MGF).

As temáticas em foco nas conferências, mesa-redondas e workshops do 22º Encontro do Alto Minho variaram entre o doente complexo em CSP, os cuidados em fim de vida, os sistemas de monitorização das unidades de saúde, o testamento vital, a gestão do risco cardiovascular, a preparação para a parentalidade, as diferenças entre MGF rural e MGF urbana ou a felicidade no dia-a-dia do médico de família (MF), esta última merecedora de uma interessante conferência de abertura proferida por Isabel Marques, especialista em Farmácia Comunitária, diplomada em Naturopatia e Homeopatia e treinadora certificada de high performance.

Para Sofia Azevedo, delegada distrital da APMGF em Viana do Castelo e membro da Comissão Organizadora e Científica do Encontro do Alto Minho, a importância de dar continuidade a este fórum anual ficou mais vincada após a pandemia: “o facto de termos estado tão afastados durante estes últimos dois anos faz-nos sentir ainda mais a necessidade de nos juntarmos, trocarmos ideias e partilharmos conhecimentos. Estes momentos são extremamente importantes para que consigamos manter a nossa qualidade em termos de trabalho e formação e também para nos sentirmos realizados, como pessoas e médicos”. Sobre a circunstância de a organização ter optado por dar à felicidade no local de trabalho um papel de relevo no programa, desde logo como pano de fundo da conferência de abertura, a delegada distrital da APMGF em Viana do Castelo considera que a escolha foi de certa forma óbvia: “escolhemos a Dra. Isabel Marques, alguém com conhecimentos na área e que nos veio trazer uma perspetiva diferente sobre a nossa forma de olhar a felicidade. Se não estivermos bem, não vamos ser capazes de cuidar bem. Quanto melhor nos sentirmos enquanto profissionais e pessoas, melhores seremos capazes de cuidar daqueles que nos procuram. Com uma carga de trabalho tão intensa nos últimos tempos e com a dificuldade registada em retomar as nossas atividades, é muito importante conservarmos esta perceção de que se não cuidarmos de nós, não conseguiremos cuidar dos outros”.

Na abertura do encontro, o presidente do Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM), António Franklim Ramos, sublinhou o facto de a integração entre níveis de cuidados e a proximidade entre hospitais e CSP terem dado passos de gigante na região, nos últimos anos, favorecendo em muito o quotidiano dos MF: “recordo-me que, há alguns atrás, existia uma grande carência ao nível informático e dos sistemas de informação, um problema que hoje está, em parte, ultrapassado. Mas só em parte, porque em termos de software há muito para fazer e seria desejável que o Ministério da Saúde pensasse em ter um registo clínico único para o utente, algo que seria uma mais valia para todos e que evitaria que andássemos a sair de um sistema para entrar noutro”. Tal cenário colocaria de lado aquilo que o presidente da ULSAM classifica como “clausuras ou clusters”, trocados em definitivo por uma real “partilha de informação”.

O vice-presidente da APMGF, António Pereira, aproveitou o arranque dos trabalhos para frisar que o Encontro de MGF do Alto Minho “é exemplar, porque consegue congregar na organização a autarquia local, a ULSAM, a Delegação Distrital da APMGF, os representantes dos CSP da localidade onde se realiza e os médicos internos (força de futuro da MGF que assim é integrada, desde cedo, na concretização destes eventos)”. O dirigente associativo explicou ainda que os médicos de família portugueses já sentiam saudades de se reunirem desta forma, “sem máscaras, com a possibilidade de conviverem, falarem e trocarem experiências, algo que contribuirá também para que possamos cuidar dos nossos utentes ao longo de toda vida, no nosso consultório, focados na melhoria do seu estado de saúde”.

Leia Também

Mérito científico reconhecido no 20º ENIJMF

UEMO censura governo português e a sua tentativa de substituir MF por indiferenciados

20º ENIJMF encarou de frente os grandes desafios que se colocam aos jovens médicos

Recentes

Menu