Marta Temido demite-se num contexto de degradação do SNS

Marta Temido apresentou o seu pedido de demissão esta madrugada (30 de agosto), pedido esse que foi aceite pelo primeiro-ministro António Costa e comunicado ao Presidente da República. Em declarações aos jornalistas, o primeiro-ministro disse respeitar “a avaliação e decisão que a Sr. Ministra tomou” e expressou “agradecimento muito profundo pelo trabalho que foi desenvolvido ao longo destes anos” por Marta Temido, sublinhando que foi uma governante “que teve de enfrentar uma situação única e extraordinária que ninguém teve de enfrentar durante a nossa vida democrática, uma pandemia com a gravidade e dureza que encontrámos na Covid-19”. António Costa admitiu, ainda, junto dos membros da imprensa que uma das razões que poderá ter motivado Marta Temido a solicitar a saída foi a recente morte de uma grávida em contexto de transporte inter-hospitalar: “existem linhas vermelhas que as pessoas estabelecem e admito que uma morte que decorre em serviços que estão na sua tutela possa ter sido a gota de água”.

Sobre a substituição de Marta Temido, o primeiro-ministro referiu que “não será um processo rápido”, até porque “não estava a contar com esta mudança” e terá de pensar no assunto com tempo. Por outro lado, António Costa quer que a ministra demissionária conclua o dossier da constituição da Direção Executiva do SNS e apresente as suas propostas neste domínio ao Conselho de Ministros.

Para o bastonário da Ordem dos Médicos (OM), a demissão da ministra não foi surpreendente, mas antes o timing: “nunca pensei que o anúncio da demissão de um ministro pudesse acontecer durante a madrugada”. Para Miguel Guimarães, as razões que terão conduzido à saída da governante prendem-se não tanto com a recente morte de uma grávida transportada entre unidades hospitalares, mas antes com “a grande crise no SNS, uma crise que se arrasta já há bastante tempo e para a qual não têm sido propostas alternativas pelo governo”.

Relativamente ao que aí vem, o bastonário da OM relembra que a estratégia para as diversas áreas de intervenção governativa em Portugal é definida pelo primeiro-ministro, o que significa que “é pouco provável que a mudança de ministro traga uma política de saúde diferente, pelo menos no imediato”. Este obstáculo de fundo é preocupante, uma que segundo Miguel Guimarães o país “tem problemas graves, que tem de ser resolvidos com a máxima urgência. Questões relacionadas com a transformação do SNS – que o tornem mais competitivo, mais rápido naquilo que é o seu modelo de gestão e a autonomia das unidades de saúde – por um lado e com o reforço do seu capital humano, por outro”.

Nuno Jacinto, presidente da APMGF, esclarece que a Associação representativa dos médicos de família não está propriamente interessada em comentar a demissão de Marta Temido, estando antes focada em matérias essenciais: “o que nos interessa é que se respeite e valorize o trabalho dos médicos de família, para que possamos exercer a nossa profissão com qualidade e segurança, de modo a prestar os cuidados de saúde que os utentes merecem e precisam”.

Para o dirigente associativo este é o momento de assumir uma atitude construtiva, a bem dos portugueses e do SNS: “o problema não é o titular da pasta, são as políticas. Não comentamos demissões nem interferimos em escolhas. Estamos sempre disponíveis para encontrar soluções. Aguardemos serenamente a escolha e tomada de posse da nova equipa ministerial”.

Leia Também

APMGF defende no parlamento que médico assistente jamais pode ser sinónimo de médico de família

Mónica Granja conclui provas de doutoramento com tese centrada no acesso aos médicos de família durante a pandemia

Inscreva-se no Curso de Especialização «Cuidados Paliativos em Cuidados de Saúde Primários»

Recentes