Médicos de Família do Algarve refletem sobre temas clínicos e o futuro da especialidade

No regresso aos eventos presenciais, a Delegação Distrital de Faro da APMGF organizou o 6º Encontro de Médicos de Família (MF) do Algarve, iniciativa que reuniu cerca de 160 participantes, oriundos da região mas também de outras partes do país, durante dois dias de trabalhos (o segundo deles dedicado a workshops e cursos). “Vivemos anos complicados ultimamente e é portanto um orgulho ver as Delegações da APMGF, como a Delegação de Faro, retomar a sua atividade, deixando a sua marca em termos de eventos, tão importantes para o panorama científico regional e nacional”, avançou o presidente da APMGF, Nuno Jacinto.

“Este ano de 2022 marcou o reinício, não só do nosso Encontro, mas de inúmeros encontros e jornadas em Portugal. No nosso caso, o balanço é positivo, até porque é sempre bom voltar a reencontrar os colegas, que se mostram interessados nos temas que continuamos a trazer para discussão, problemas do dia a dia com que nos deparamos e que sempre suscitam dúvidas, até porque a ciência, apesar da Covid-19, continuou a evoluir”, explica Daniela Emílio, delegada distrital da APMGF em Faro. A mesma dirigente assegura que os eventos presenciais já tinham deixado saudades e têm “inúmeras vantagens, uma vez que o contacto próximo com as pessoas nos ajuda a melhorar na prestação de cuidados”.

Daniela Emílio recorda que a equipa da Delegação foi renovada nas últimas eleições e optou, em 2022, por um conceito de Encontro “completamente baseado em casos clínicos, centrando-se nas necessidades clínicas em áreas de grande destaque em tempos recentes, como a Infeciologia, mas também nas dúvidas de sempre em campos como a Pneumologia, a Urologia ou no domínio da Menopausa, em sessões muito bem acolhidas por todos”.

Momento chave no evento foi a tertúlia dedicada ao futuro da MGF na região. De acordo com a delegada distrital de Faro da APMGF, “a ideia de realizar esta tertúlia nasce da degradação das condições – não só no Algarve, mas em todo o país – e da necessidade de termos espaços próprios para falarmos daquilo que nos aflige no dia-a-dia e o que nos preocupa em relação ao futuro. Mas não só, de termos um fórum para abordarmos as coisas boas, o que temos consolidado e que pode ser melhorado ou replicado noutros sítios. Cada vez faz mais sentido, enquanto pares, discutirmos não apenas a clínica, mas também as questões associadas à profissão, à nossa dignidade e condições de trabalho e os mecanismos que temos à disposição para melhorar a vida de todos os MF e, em última análise, oferecer melhores cuidados de saúde no Algarve”.

Também Nuno Jacinto elogiou a organização desta tertúlia: “é importante que esta discussão se faça, a par do debate das questões clínicas e científicas, já que atravessamos hoje grandes dificuldades. Aliás, a APMGF tem sempre estas duas vertentes essenciais contempladas na sua atuação, a parte técnico-científica, que assumimos como Sociedade da Medicina Geral e Familiar, mas também a componente sócio-profissional, que visa garantir a qualidade e a segurança do nosso exercício, enquanto MF. É por isso que temos tido uma intervenção forte e incisiva, no sentido de defender o respeito pelos MF em Portugal”. O presidente da APMGF lembrou, inclusive, as movimentações associativas encetadas nos últimos meses e planeadas para os dias que se seguem: “estivemos recentemente reunidos com os partidos políticos e a Comissão Parlamentar de Saúde e, na próxima semana, estaremos reunidos com o Sr. Ministro da Saúde, para lhe relatar as nossas preocupações e as soluções que defendemos para a especialidade de MGF”.

Prémios

 

Prémio para a melhor comunicação livre na área temática de Melhoria Contínua da Qualidade

«Rastreio do VIH – Um projeto de intervenção e melhoria contínua da qualidade»

Rita Adelaide Gonçalves Azevedo1, Joana Ortiz2, Inês Mendes2, Margarida Magalhães2, Sofia Jardim2, Pedro Parreira2, Joana Pinheiro2, Diana Marques3

1 USF do Parque, 2 USF Parque, 3 UCSP Lumiar

Prémio para a melhor comunicação livre na área temática de Revisão de Tema

«Monkeypox, o renascer de uma doença»

Andreia M. Oliveira1, Rita Paraíso1, Catarina Coelho1, Vanessa Guerreiro

1USF Ria Formosa

Prémio para a melhor comunicação livre na área temática de Relato de Prática

«Unidade de Internos: servir utentes sem Médico de Família, conceitos de UIN e “Win-Win”

Sofia R. Rodrigues1, Valter Silva2, Inês Coelho2, Liliana Portela1

1 USF Descobertas, 2 USF Dafundo

Prémio para a melhor comunicação livre em formato de poster na área temática de Relato de Caso

«Cistos de Tarlov – Quando a dor é o nosso despertador!»

Rita Paraíso1, Andreia M. Oliveira1, Filipa Lourenço1, Catarina Coelho1, Pilar Marquez1

1 USF Ria Formosa, ARS Algarve

Menção honrosa para a comunicação livre em formato de poster na área temática de Relato de Caso

«Menstruou quando tossiu?»

Eduardo Sousa1, Mónica Ornelas1, Joana Amaral1

1USF Amora Saudável

 

Leia Também

José Augusto Simões obtém título académico de agregado na UBI

Pós-graduação «Governação em Saúde» da ENSP arranca no próximo mês de janeiro

Dois terços dos portugueses com recomendação para serem vacinados contra a gripe já terão sido imunizados

Recentes

Menu