Estudo sobre a interação entre a MGF e os Cuidados Paliativos

Miguel David Natal, médico de Medicina Geral e Familiar, a frequentar o Mestrado em Cuidados Paliativos na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, pretende realizar um estudo sobre a temática “A Medicina Geral e Familiar Face aos Cuidados Paliativos. Acções Paliativas e Formação em CP”.

O envelhecimento geral da população, associado à melhoria das condições e de acesso à saúde, aumentam a probabilidade dos médicos de família terem de lidar com um maior número de utentes, a necessitarem de cuidados paliativos. Questões como a comunicação, cuidadores, dor e sofrimento humano, situações de agonia, obstinação terapêutica e outras, serão cada vez mais frequentes no quotidiano da Medicina Geral e Familiar – MGF.

É neste contexto que os autores se lançaram ao desafio de contribuir para a auscultação dos colegas de MGF, face à temática de Cuidados Paliativos. A Medicina Geral e Familiar deve enfrentar a problemática relativa aos Cuidados Paliativos? Deve ignorar essa questão? Eis algumas dúvidas. Eventualmente, muitas outras surgirão depois deste trabalho, que merecerão a atenção dos colegas de MGF.

Com a ajuda da APMGF/Departamento de Investigação, o colega Miguel David Natal solicita a sua colaboração no preenchimento deste questionário anónimo, pois é fundamental para a realização do estudo em causa. Leia atentamente cada uma das questões e, em cada linha, assinale a resposta que melhor reflete a sua opinião. O projeto mereceu parecer favorável à sua realização pela Comissão de Ética da ARS Norte. Serão mantidos o anonimato e a confidencialidade das suas respostas. Trata-se de um trabalho de investigação, no âmbito do mestrado em cuidados paliativos, não advindo daí quaisquer riscos ou benefícios pela sua participação.

Pode aceder ao questionário do estudo aqui.

 

Leia Também

Conhecer o contexto, fatores de risco e consequências do erro médico é a melhor estratégia para o mitigar

Papel do tapentadol na gestão da dor crónica será analisado em Vilamoura

Posição da APMGF sobre a justificação de ausências ao trabalho de muito curta duração por motivo de doença

Recentes

Menu