APMGF defende a urgência de tornar o SNS – outra vez – atrativo para os médicos de família

Nuno Jacinto, presidente da APMGF, prestou declarações à Agência Lusa (declarações essas posteriormente com eco em vários meios de comunicação social, como Diário de Notícias, TVI/CNN Portugal ou SIC) nas quais explica que muitos médicos de família olham hoje “para o SNS com alguma tristeza e desencanto”, sentimentos motivados em grande medida pela circunstância de os mesmos considerarem que “o seu trabalho não tem a valorização e o respeito que deveria ter”.

O dirigente associativo garantiu, em complemento, que a baixa atratividade do SNS para os jovens especialistas em MGF se deve de certa forma à “falta de uma aposta nos cuidados primários, desde logo, na grelha salarial”, bem como a um modelo de “contratação muito rígido baseado nas 40 horas, que não permite flexibilidade aos médicos que existe, por exemplo, no setor privado”.

Já à RTP e no âmbito do comentário sobre a notícia de que o número de utentes sem médico de família aumentou 29% num único ano, Nuno Jacinto reforçou que “enquanto não voltarmos a tornar o SNS atrativo, vamos ter um saldo negativo” e que Portugal apenas consegue “captar cerca de dois terços dos especialistas em MGF que forma, sendo que esse número também tem vindo a decrescer”.

Nas vésperas do Dia Mundial do Médico de Família foi também publicada uma entrevista de Nuno Jacinto aos órgãos do Grupo Cofina (Sábado/Jornal de Negócios), no âmbito do projeto Portugal Health Summit, na qual o presidente da APMGF lamenta a incapacidade da tutela em reter os MF no Serviço Nacional de Saúde.

 

Leia Também

APMGF defende no parlamento que médico assistente jamais pode ser sinónimo de médico de família

Mónica Granja conclui provas de doutoramento com tese centrada no acesso aos médicos de família durante a pandemia

Inscreva-se no Curso de Especialização «Cuidados Paliativos em Cuidados de Saúde Primários»

Recentes