Susana Silva Pinto conclui doutoramento com tese direcionada para o impacto do uso dos novos anticoagulantes orais na gestão da FA não‐valvular

A Medicina Geral e Familiar (MGF) conta com mais uma doutorada entre as suas fileiras, após Susana Silva Pinto (assistente de MGF na USF S. Tomé – ACeS Santo Tirso/Trofa, assistente convidada na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e membro do Grupo de Estudos de Doenças Cardiovasculares da APMGF) ter concluído no dia 20 com sucesso a sua prova de doutoramento na Aula Magna da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), com a tese subordinada ao título «The impact of new Oral Anticoagulants in the management of Non-Valvular Atrial Fibrillation: Real-World Data Analysis».

O júri da prova foi presidido por José Estevão da Costa (FMUP) e integrou ainda os arguentes Jaime Correia de Sousa (Escola de Medicina da Universidade do Minho) e José Pereira Prazeres (Universidade da Beira Interior). Participam ainda como elementos do júri Cristina da Costa Santos (FMUP), Sofia Baptista (FMUP) e Carlos Martins (Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde – CINTESIS), igualmente orientador da tese. As coorientadoras da tese foram Andreia Teixeira e Teresa Sarmento Henriques (ambas da FMUP).

As principais conclusões da tese de doutoramento defendida por Susana Silva Pinto apontam para o facto de a prevalência de fibrilhação auricular (FA) ter vindo a aumentar nos últimos anos na região Norte de Portugal, encontrando-se também uma evidência de subtratamento (27%) e de sobretratamento (40,9%) da anticoagulação nos doentes com FA. A eficácia da anticoagulação em doentes com FA depende de fatores relacionados com o médico e com o doente: 26,5% dos doentes não têm uma prescrição de NOAC adequada e apenas 55,2% dos doentes aderem à terapêutica com anticoagulantes. Cerca de 10,2% dos doentes com FA medicados com um NOAC tiveram um evento trombótico. Para doentes com a mesma idade, género e CHA₂DS₂-VASc score, apixabano foi associado a maior odds de evento trombótico comparado com rivaroxabano, com significância estatística.

A tese pretendia determinar a prevalência de FA na região Norte de Portugal e avaliar como estão a ser tratados os doentes com FA, que anticoagulantes estão a ser prescritos e se estão a ser prescritos conforme recomendado. Em acréscimo, procurava determinar se o perfil de prescrição e a adesão à terapêutica com NOACs em doentes com FA são adequados e aferir a associação entre os NOACs e variáveis clínicas dos doentes com FA e a ocorrência de eventos trombóticos. Os resultados obtidos parecem realçar necessidades de formação médica pós-graduada na MGF no âmbito da anticoagulação na FA, quer em cursos de formação contínua, quer em sessões formativas em congressos, de forma a que os médicos de família atualizem os seus conhecimentos.

Segundo Susana Silva Pinto, a principal razão para seguir uma linha de investigação com dados do mundo real é o seu “fascínio pela investigação que reflete a prática clínica do médico de família. Desta forma, conseguimos avaliar o que está a acontecer, o seu impacto na saúde das populações e propor medidas de melhoria”.

Por outro lado, a doutorada acredita que “para além da aprendizagem da formulação de questões de investigação, da pesquisa bibliográfica, do planeamento das metodologias, da interpretação e discussão de resultados e da escrita de artigos científicos, o doutoramento proporciona a visão integrada das vertentes clínica e investigacional e desenvolve ferramentas para integrar equipas diferenciadas nos diversos contextos de ação e de ensino médico, articulando a MGF com especialidades hospitalares”.

Leia Também

Reunião online aberta “Conversas sobre Investigação”a 18 de junho!

Jornadas de MGF dos Açores fecham com mensagem de confiança nas capacidades do MF

Açores avançam com adaptação regional das USF modelo B

Recentes