Integre o estudo dedicado à avaliação das práticas dos profissionais de saúde sobre a alimentação complementar

No âmbito do Mestrado em Nutrição Pediátrica na Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto, uma equipa de investigadores encontra-se a desenvolver um projeto de investigação intitulado “Conhecimentos e Práticas dos Profissionais de Saúde Portugueses sobre a Alimentação Complementar”. Este projeto pretende aferir o grau de concordância dos profissionais de saúde em Portugal em relação às recomendações publicadas em 2023 no Consenso da Sociedade Latino-americana de Gastrenterologia, Hepatologia e Nutrição Pediátrica (LASPGHAN) acerca da alimentação complementar, bem como identificar a perceção de aplicabilidade dessas recomendações na prática clínica. Pode participar no estudo e aceder ao questionário através deste link. A data limite para o envio das respostas é o dia 22 de junho de 2024.

O preenchimento do questionário online (com duração aproximada de 15 minutos) abordará questões relacionadas com as suas perceções, práticas e recomendações realizadas acerca da alimentação complementar. A sua participação será fundamental para uma maior compreensão deste tema, o que poderá ser importante para o desenvolvimento de orientações atualizadas acerca da alimentação complementar para a promoção da saúde da população pediátrica portuguesa.

Este estudo mereceu parecer favorável da Comissão de Ética da Faculdade de Ciências de Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto (FCNAUP) e é um estudo voluntário. As respostas serão confidenciais e anónimas. Só o investigador principal e a sua equipa restrita terão acesso aos dados, mas destes nunca fará parte informação que o identifique. A equipa de investigação compromete-se a publicar os resultados deste estudo numa revista científica com revisão por pares indexada no ano de 2025.

A alimentação complementar é definida pela Organização Mundial da Saúde como o processo de fornecimento de alimentos quando o leite materno ou a fórmula láctea por si só já não são adequados para atender às necessidades nutricionais. Começa geralmente aos 6 meses de idade e continua até os 23 meses de idade, embora a amamentação possa continuar além deste período.

Caso lhe surja alguma dúvida, ou necessite de mais informações, não hesite em entrar em contacto com a investigadora responsável Sofia Marques Ramalho, professora auxiliar da Universidade Lusíada e professora auxiliar convidada da FCNAUP, através deste endereço de correio eletrónico.

 

Leia Também

APMGF reitera que problema de urgências só será debelado com medidas de fundo e maior apoio aos CSP

Reunião online aberta “Conversas sobre Investigação”a 18 de junho!

Jornadas de MGF dos Açores fecham com mensagem de confiança nas capacidades do MF

Recentes