Pedro Agrela

WONCA Europe Conference 2022

Primeiro uma ideia, depois a concretização e, por último, a exposição e partilha do que aprendemos. Estes foram os passos que percorri na 27th WONCA Europe Conference 2022 e os percorridos por vários colegas de todas as partes do mundo que atenderam a este evento entre 28 de junho e 1 de julho. Passos importantes e que permitem-nos obter diferentes visões da Medicina Geral e Familiar (MGF), para que haja uma adaptação e melhoria contínua da nossa prática clínica em prol de serem prestados os melhores cuidados aos nossos utentes.

Neste congresso foi aprovada a “Declaração de Valores Fundamentais e Princípios da Medicina Geral e Familiar” pelo conselho do WONCA Europe, que são estruturantes para a prática de uma MGF de qualidade. De entre os valores fundamentais encontramos os cuidados centrados na pessoa, a continuidade e cooperação nos cuidados, os cuidados orientados para a comunidade, a equidade e profissionalismo dos mesmos e por último os cuidados baseados na ciência. Mais interessante ainda foi encontrar estes valores espelhados em cada uma das sessões em que tive a oportunidade de participar, não só nas exposições, mas também em cada intervenção realizada pelos colegas da plateia e nas conversas que pude privar com colegas de outros países nos intervalos das sessões. Sem dúvida, um grande momento de partilha para recordar.

Entre as sessões a que assisti, encontra-se o workshop “Colorectal cancer screening: from reality to evidence – Europrev”, realizado pelo nosso estimado colega Prof. Dr. Carlos Martins e a Dr.ª Ahmeda Ali. Nesta sessão, a Dr.ª Ali guiou-nos inicialmente pelos dados colhidos pelo EUROPREV relativamente ao rastreio do cancro colorretal na Europa, apresentando-nos 14 países, todos com diferentes idades para grupo-alvo. De entre estes, apenas em seis países os doentes são informados acerca dos possíveis prejuízos que poderiam advir deste rastreio, em três o rastreio é utilizado como indicador de qualidade, noutros seis existem incentivos financeiros aos profissionais e em oito os médicos de MGF não estão envolvidos na prescrição do rastreio. Seguindo a mesma linha de questões relativamente ao rastreio do cancro colorretal, foram partilhadas as experiências dos colegas de diferentes países em sala. Foi interessante ouvir as semelhanças e as diferenças dos rastreios realizados nos outros países em comparação com Portugal, ao mesmo tempo que eram partilhadas as dificuldades que estes colegas sentiam relativamente a este rastreio nas suas práticas. Por exemplo, na Polónia, o rastreio do cancro colorretal é realizado de forma independente dos médicos de MGF, sendo os utentes contactados via carta por uma administração central e muitas vezes com a informação sobre a realização e resultado deste rastreio a não estar disponível para os médicos de MGF. Por outro lado, no Canadá, os utentes são aconselhados a escolher a realização do rastreio por colonoscopia ou pesquisa de sangue oculto nas fezes, mas existe um pequeno incentivo financeiro para o profissional por doente aconselhado e por doente que realiza o rastreio, sendo levantada a hipótese de enviesamento no momento do aconselhamento para realização do mesmo. Com estes exemplos, ficamos com a ideia de que o rastreio do cancro colorretal é realizado de forma heterogénea a nível mundial, mas existe entre os profissionais que participaram neste workshop uma vontade de melhorar os cuidados de saúde aos utentes através da sua atividade profissional, garantindo que esta seja baseada na evidência, equitativa e assegurando a continuidade dos cuidados.

Outra das sessões a que também assisti e que descobri ter extremo interesse, foi a sessão em formato “Science Slam” apresentada pela Dr.ª Jéssica Martins, intitulada “Effect of adverse chilhood experiences in prediction of psychotic episode: A Systematic Review”. Para nós, Médicos de Família, a prevenção é uma das palavras de ordem e por isso, torna-se importante a possibilidade de prever e antecipar a possibilidade de um evento psicótico baseando-se nas experiências sociais e familiares das crianças. Guiando-nos por uma extensa pesquisa bibliográfica, a Dr.ª Martins e a coautora Dr.ª Catarina de Freitas, concluíram que a exposição a eventos causadores de stress provocam alterações no neurodesenvolvimento e que têm um papel importante no desenvolvimento de episódios psicóticos. Além disso, estes episódios terão um efeito “dose dependente”, assim como uma variação segundo a gravidade e a multiplicidade de eventos traumáticos que uma criança possa sofrer. Em contrapartida, sabemos que experiências sociais positivas e a realização de psicoterapia com a promoção de resiliência emocional, são intervenções eficazes para evitar o surgimento de eventos psicóticos. Finalmente e com um olhar sobre a prevenção, a apresentadora sublinhou a importância de identificar precocemente os indivíduos expostos a eventos traumáticos na infância, de forma a educar os próprios e os pais, adaptando os recursos para uma intervenção precoce e tratamento, quando necessários.

Muitas mais sessões com partilha de conhecimentos de extrema importância para a nossa especialidade de Medicina Geral e Familiar aconteceram nesta 27th WONCA Europe Conference 2022 e muitas mais teremos a oportunidade de ver partilhadas em reuniões futuras. Resta-nos a nós continuar a procurar fazer o bem pelos nossos utentes e encontrar novas estratégias que possam depois ser partilhadas e aplicadas, garantindo sempre o cumprimento dos valores fundamentais da MGF.

Pedro Agrela
(Médico Interno em Medicina Geral e Familiar no Serviço de Saúde da Região Autónoma da Madeira)

Leia também outras notícias

APMGF contesta estratégia de empurrar doentes «verde e azuis» dos hospitais para os CSP

Concurso Especialistas Ilha Terceira

Unidade de Saúde da Ilha Terceira lança concurso para integrar seis MF

Protesto 16 de Julho

Médicos de Família acorreram a Lisboa para defender a especialidade

Menu