Gerais
0

Problemáticas associadas ao sono e uso abusivo de BZP vão estar na berlinda

36º Encontro Nacional de MGF

Sessão certamente chave do próximo 36º Encontro Nacional de Medicina Geral e Familiar (MGF) será aquela que abordará as questões relacionadas com as patologias do sono, a sua correta gestão e higiene. Uma mesa que será moderada por Miguel Pereira (médico de família da USF Mondego e membro da Direção Nacional da APMGF) e na qual participará Joaquim Moita (presidente da Associação Portuguesa do Sono – APS – e coordenador do Centro de Medicina do Sono do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra – CHUC), o qual traçará um retrato das patologias do sono em Portugal. Referência também para as presenças da psiquiatra com competência de Medicina do Sono Joana Serra (que incidirá a sua comunicação sobre a insónia e as terapêuticas alternativas às benzodiazepinas – BZP) e da médica de família (MF) e membro do GRESP Cláudia Vicente, a quem caberá transmitir a prática clínica do MF neste domínio bem como dissecar as possíveis formas de melhorar a articulação entre CSP e cuidados diferenciados, sobretudo através de parcerias como aquela que foi estabelecida com o Centro de Medicina do Sono.

Joaquim Moita afirma que há algo que o preocupa muito neste momento e que gostaria de discutir com a MGF: “a chamada insónia crónica, que atinge cerca de 10% da população portuguesa e que tem consequências graves. A pessoa com insónia vive, no dia seguinte a uma noite mal dormida, com sonolência e fadiga, tem diminuição das capacidades cognitivas, problemas de memória e instabilidade emocional, podendo até experimentar alterações de natureza física. Mas sabemos hoje que a insónia cronica acarreta consequências ainda mais graves do que estas que se referem à perturbação do dia seguinte. Os indivíduos com insónia de longa duração têm, muitas vezes, decorrentes dessa mesma insónia, doenças cardiovasculares e diabetes do Tipo 2”.

A insónia surge também amiúde relacionada com patologias do foro mental, como depressão e ansiedade. O presidente da APS relembra que é comum o MF ou o psiquiatra que acompanha o doente “tratarem a depressão ou a ansiedade, mas sem preocupação de resolver a questão da insónia. Quando tal acontece, muitas vezes a insónia mantém-se como patologia autónoma. Queremos chamar a atenção, nesta mesa, para tal facto. A insónia pode ser desencadeada por outra doença, mas posteriormente adquirir um papel próprio”. O número de casos de insónia que estão intimamente ligados com a Síndrome de Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS) também é significativo, sendo fundamental tratar e medicar as duas condições em conjunto e de forma equilibrada. Esta relação próxima entre insónia e SAOS será objeto de cuidada análise na sessão do 36º EN.

As alternativas às BZP existem e devem ser usadas na prática clínica

Muito tem sido debatida a prescrição e consumo abusivo de BZP em Portugal, para os quais concorrem com toda a certeza os problemas de sono que enfrentam diariamente os portugueses. Mas a verdade é que as BZP representam, a médio e longo prazo, uma má opção para a gestão dos problemas de sono, existindo outras alternativas bem mais efetivas e menos prejudiciais para a saúde dos doentes, como explica o coordenador do Centro de Medicina do Sono do CHUC: “Portugal é o país da OCDE que consome mais BZP per capita, um padrão que tem crescido ao longo dos últimos anos e apesar do aumento em paralelo da prescrição dos antidepressivos. É correto, em casos de insónia crónica, tratar com uma BZP, mas sempre na perspetiva de que o tratamento não pode ultrapassar as quatro semanas. A partir daí estes medicamentos provocam dependência, têm efeitos secundários graves e deixam de ser benéficos para o próprio sono”.

Joaquim Moita reforça que para tratar estes doentes estão disponíveis outros caminhos, não só opções medicamentosas diferentes, mas também intervenções não farmacológicas, como a terapia cognitivo-comportamental.

Pese embora a existência destas soluções mais benéficas para os doentes, o especialista do sono reconhece que para grande parte dos MF do país se torna difícil garantir o acesso dos seus utentes às mesmas: “em Portugal não existem médicos em número suficiente com este tipo de competências e conhecimentos e escasseiam as estruturas, as unidades especializadas, que possam dar apoio à MGF nesta área. De qualquer forma, é importante para o MF perceber até onde pode ir e a partir de que ponto deve procurar referenciar o doente para um centro mais diferenciado”.

Leia Também

Datas para avaliações da cobertura vacinal já foram definidas

João Sequeira Carlos promove WONCA Europa 2014

Inscrições gratuitas no XVIII Congresso Português de Reumatologia

Recentes

Menu